Pular para o conteúdo principal

Sobre

Este Blog tem como objetivo divulgar textos do autor Dr. Mark Barone e seus convidados, e disponibilizar atualizações de seus livros "Tenho diabetes tipo 1, e agora?" e "Diabetes: conheça mais e viva melhor".

Deixe seus comentários! Sugira temas! Aproveite!



SOBRE O DR. MARK BARONE

Mark Thomaz Ugliara Barone, Doutor em Fisiologia Humana pelo Instituto de Ciências Biomédicas da USP, foi diagnosticado com diabetes tipo 1 aos 10 anos de idade, em 1991, e desde 1999 desenvolve trabalhos de educação e pesquisas em diabetes. Em seu doutorado pesquisou a relação entre controle glicêmico e sono em pessoas com diabetes tipo 1. Como resultado, fez alguns achados e publicações a esse respeito (link).

Pós-graduou-se em educação e tratamento do diabetes: "Educando Educadores" (IDF-ADJ-SBD), o Advanced Clinical Postgraduate Course on the Management of Diabetes and its Complications (EASD-ADA-IDF), o Advanced Strategies for Diabetes Educators (IDC), a Formação de Educadores em Diabetes (UNIP),

Entre suas atividades atuais, destacam-se palestras e cursos, incluindo o premiado “Treinamento de Jovens Líderes em Diabetes” de sua autoria, colaboração em acampamentos e associações de diabetes de diversos países, e pesquisas sobre educação em diabetes e melatonina em pessoas com diabetes tipo 1. Além disso, é faculty no Young Leaders in Diabetes Programme da IDF; é Colunista do site da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD); ministra aulas e palestras sobre diferentes temas relacionados às ciências, saúde, educação, e diabetes; escreve textos de divulgação e artigos científicos; e está lançando a 4a edição de seu primeiro livro, mas agora em espanhol ("Tengo diabetes tipo 1, y ahora?"), para toda a América Latina.


No passado, Mark representou o Brasil na Conferência para Jovens Líderes em Diabetes, Campo Amigo Internacional, em 2003, no Perú e em 2004 no Chile. Trabalhou em diversos acampamentos de educação em diabetes (Acampamento ADJ-UNIFESP-NR desde 2001, até hoje; Campo Amigo Perú, em 2003; Camp Joslin, em 2003 e 2004; Campo Amigo Ecuador, em 2004; Campamento da Fundación Paraguaya de Diabetes, em 2009; e ADUCamp, no Uruguai, em 2012). Coordenou o acampamento Encontro ADJJovem de 1999 a 2003.

Contato para palestras, treinamentos, artigos e atendimentos: markbarone@bol.com.br
Link para currículo Lattes completo.

Ministrando palestra no 20th World Diabetes Congress (International Diabetes Federation - IDF),  dezembro de 2009, Montreal, Canadá.

Comentários

  1. Parabéns Mark pelo livro, ficou sensacional! Gostei muito !

    ResponderExcluir
  2. Mark, parabéns pelo Blog. É sempre bom ficar antenado com as novidades do mercado.

    ResponderExcluir
  3. Estou encantado! Adorando! Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Boa noite, Dr Mark Barone apresentamos o mesmo tempo de diagnóstico, espero ser pesquisadora na área de Educação em Diabetes, conheço há um bom tempo o seu trabalho. Parabéns !

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Comer... Mas quando tomar a insulina?

Este artigo tem como objetivo responder uma questão que, junto à contagem de carboidratos, é cada dia mais frequente. Quando tomar a insulina ultra-rápida para os carboidratos que consumi ou consumirei? Muitas pessoas têm relatado um frequente descontrole glicêmico, resultando em Hemoglobina Glicada (A1C) alta, devido a terem hiperglicemia após a alimentação, ou mesmo por se esquecerem de tomar a insulina que deveria ter sido tomada para a refeição.
A primeira coisa que é importante saber é que essa elevação da glicemia pós-pandial (depois da alimentação) é prejudicial ao organismo, aumentando o risco de complicaçõescrônicas do diabetes.


Quanto ao momento de tomar a insulina, é importante lembrarmos que mesmo as insulinas ultra-rápidas (Lispro, Aspart e Glulisina) começam a agir entre 10 e 15 minutos após serem aplicadas. Por isso, se você já se alimentou e ainda não tomou sua insulina, sua glicemia irá subir. Os alimentos, em especial os ricos em carboidratos, começam a ser absorvid…

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Você deve estar se perguntando, "o que será que aconteceu com o suco de laranja? será que descobriram algum suco contaminado?" Não, não é esse o caso. Estamos falando do suco de laranja natural mesmo, não adoçado, feito na hora, ou comprado em caixinha. E o alerta é para todos que têm diabetes. Vejamos por quê.

O suco de laranja é bastante popular no Brasil. Pudera, somos exportadores de laranja e de suco de laranja. Por isso, é comum encontrar pessoas tomando suco de laranja na padaria, no bar, no restaurante, seja durante a refeição ou em seus intervalos. Além disso, todos apreciam o fato de a laranja ser uma fruta rica em vitaminas e minerais, como a vitamina C. 
Por outro lado, existe um mito em relação ao suco de laranja, assim como em relação aos outros sucos de fruta, como o suco de melancia e o de uva. "Se é natural, não tem com o que se preocupar". Porém, especialmente para quem tem diabetes, os sucos naturais podem ser vilões e atrapalhar muito o control…

Xultrophy: Insulina + GLP-1 (menos hipoglicemias, melhor A1C e perda de peso!)

Por Ronaldo J. P. Wieselberg
No último congresso da ADA (American Diabetes Association), neste ano, foi apresentado um trabalho que demonstrava os benefícios de um “novo” medicamento para o diabetes, chamado Xultophy. Novo, entre aspas, porque, na verdade, ele não é exatamente algo novo no mercado...
O Xultophy nada mais é do que uma mistura (em quantidades certas!) de insulina Degludeca (Tresiba) e da Liraglutida, um dos agonistas de GLP-1 (Victoza). Os três produtos em questão – Xultrophy, Tresiba e Victoza – são produzidos pela NovoNordisk. Até aí, nada demais – não fosse o fato de que o Xultophy “venceu” a Lantus (insulina glargina) durante o estudo, ou seja, exibiu mais benefícios para pessoas com diabetes tipo 2 (DM2).
Para entender essa “vitória”, vamos explicar rapidamente como são feitos os estudos de novos medicamentos.
Depois que o novo medicamento é testado em cobaias – principalmente ratos – e em pessoas saudáveis, para que haja segurança – ou seja, para que saibamos que …