Pular para o conteúdo principal

INSULINA INALÁVEL, SERÁ QUE AGORA DARÁ CERTO?

Como muitos devem se lembrar há aproximadamente 5 anos, depois de decadas de expectativa, a Pfizer lançou e iniciou a comercialização no mundo todos da primeira insulina inalável. Chamava-se Exhubera. Muitos, apesar do alto custo dos bliters de pó de insulina e do tamanho do inalador, prontamente adquiriram a novidade. Porém, em poucos meses a empresa alegou não estar tendo o retorno financeiro esperado e retirou a novidade do mercado global. Outras empresas líderes em diabetes, como a Elli Lilly e a Novo Nordisk, que estavam desenvolvendo tecnologias semelhantes, cancelaram imediatamente suas pesquisas.
O sonho da insulina inalável parecia ter acabado. Contudo, durante o 70th Congresso da Associação Americana de Diabetes, em junho de 2010, pode-se ver que empresas menores continuam investindo nesse nicho de mercado que as gigantes do diabetes abriram mão.
Entre elas estão a Mannkind, que divulgou resultado de estudo de longo prazo (2 anos em pessoas com diabetes tipo 2), indicando que sua insulina inalável de ação ultra-rápida (assim como era a Exhubera) é eficaz e segura. A empresa relata ainda já ter realizado mais de 50 estudos com a insulina chamada Afrezza, em mais de 5.000 pessoas tanto com diabetes tipo 2, quanto com tipo 1. Em relação à Exhubera, o que chama a atenção é o design e tamanho diminuto do inalador.
Outra empresa, esta sediada nos Emirados Árabes, que investe em método menos invasivo de administração de insulina é a Generex Biotechnology. Diferente das demais, esta já está comercializando a insulina a Oral-Lyn em diversos países e se trata de uma insulina de absorção oral, ou melhor, ela não precisa ser inalada, já que é absorvida na própria boca. Apesar de o aplicador ser semelhante a uma bombinha de asma, as limitações principais dessa insulina são os altos custos e a dose muito baixa fornecida por cada puff (espirrada). Assim, aparentemente, trata-se de uma insulina mais adequada a pessoas com diabetes tipo 2, que precisam de poucas unidades de insulina ultra-rápida pré-refeição.
Então agora é esperar par ver se essas novas tecnologias se mostrarão realmente úteis e efetivas e, nesse caso, torcer para que cheguem logo ao Brasil.
Mais informações sobre a Afrezza: www.diabeteshealth.com
www.mannkindcorp.com
Mais informações sobre a Oral-Lyn: www.generex.com
Por Mark Barone
Originalmente publicado em: http://blog.adj.org.br/futuro/

Comentários

  1. Tenho um filho com diabetes tipo 1. Acompanho seu sofrimento há anos furando-se várias vezes ao dia, devido ao uso da insulina. Sua vida depende desta prática. Por favor, não deixem essa ideia morrer. A insulina inalável iria diminuir em muito o sofrimento dos diabéticos. Sua qualidade de vida daria um salto sem medidas! Apelo aos cientistas, aos laboratórios, aos Governos, às autoridades em geral, à população do planeta: vamos dar as mãos para construirmos um mundo melhor para os diabéticos. Ninguém sabe o dia de amanhã. Nunca soube de nenhum caso na minha família. Até meu filho nascer... Denise Pazito

    ResponderExcluir
  2. OLA TENHO 17 ANOS E JA TENHO DIABETES TIPO 1 DESDE DOS MEUS 6 ANINHOS OU SEJA A 11 ANOS E ESTA INSLINA IA MELHORAR MUITO O MEU DIA-A-DIA POR FAVOR NAO DEISEM ESSA IDEIA DE PARTE PESSOVOS POR MIM E POR TODOS OS DIABETICOS QUE SOFREM TAL COMO EU E O SOBRIMENTO E MUITO GRANDE QUE OS CIENTITAS E TUDA A COMUNIDADE CONTINUEM A TRABALHAR NESTA INSULINA MUITO OBRIGADO POR TUDO

    ResponderExcluir
  3. Bom dia!
    Eu tomava a Exubera e meu diabetes ficou mto bem controlado. Mas como não gerou lucros absurdos a Pfzer resolveu para de fabricar.
    Estou na esperança de que uma nova insulina seja comercializada, pois tenho diabetes há 21 anos (desde os 5) e não aguento mais essas picadas todos os dias.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Você deve estar se perguntando, "o que será que aconteceu com o suco de laranja? será que descobriram algum suco contaminado?" Não, não é esse o caso. Estamos falando do suco de laranja natural mesmo, não adoçado, feito na hora, ou comprado em caixinha. E o alerta é para todos que têm diabetes. Vejamos por quê.

O suco de laranja é bastante popular no Brasil. Pudera, somos exportadores de laranja e de suco de laranja. Por isso, é comum encontrar pessoas tomando suco de laranja na padaria, no bar, no restaurante, seja durante a refeição ou em seus intervalos. Além disso, todos apreciam o fato de a laranja ser uma fruta rica em vitaminas e minerais, como a vitamina C. 
Por outro lado, existe um mito em relação ao suco de laranja, assim como em relação aos outros sucos de fruta, como o suco de melancia e o de uva. "Se é natural, não tem com o que se preocupar". Porém, especialmente para quem tem diabetes, os sucos naturais podem ser vilões e atrapalhar muito o control…

Comer... Mas quando tomar a insulina?

Este artigo tem como objetivo responder uma questão que, junto à contagem de carboidratos, é cada dia mais frequente. Quando tomar a insulina ultra-rápida para os carboidratos que consumi ou consumirei? Muitas pessoas têm relatado um frequente descontrole glicêmico, resultando em Hemoglobina Glicada (A1C) alta, devido a terem hiperglicemia após a alimentação, ou mesmo por se esquecerem de tomar a insulina que deveria ter sido tomada para a refeição.
A primeira coisa que é importante saber é que essa elevação da glicemia pós-pandial (depois da alimentação) é prejudicial ao organismo, aumentando o risco de complicaçõescrônicas do diabetes.


Quanto ao momento de tomar a insulina, é importante lembrarmos que mesmo as insulinas ultra-rápidas (Lispro, Aspart e Glulisina) começam a agir entre 10 e 15 minutos após serem aplicadas. Por isso, se você já se alimentou e ainda não tomou sua insulina, sua glicemia irá subir. Os alimentos, em especial os ricos em carboidratos, começam a ser absorvid…

Xultrophy: Insulina + GLP-1 (menos hipoglicemias, melhor A1C e perda de peso!)

Por Ronaldo J. P. Wieselberg
No último congresso da ADA (American Diabetes Association), neste ano, foi apresentado um trabalho que demonstrava os benefícios de um “novo” medicamento para o diabetes, chamado Xultophy. Novo, entre aspas, porque, na verdade, ele não é exatamente algo novo no mercado...
O Xultophy nada mais é do que uma mistura (em quantidades certas!) de insulina Degludeca (Tresiba) e da Liraglutida, um dos agonistas de GLP-1 (Victoza). Os três produtos em questão – Xultrophy, Tresiba e Victoza – são produzidos pela NovoNordisk. Até aí, nada demais – não fosse o fato de que o Xultophy “venceu” a Lantus (insulina glargina) durante o estudo, ou seja, exibiu mais benefícios para pessoas com diabetes tipo 2 (DM2).
Para entender essa “vitória”, vamos explicar rapidamente como são feitos os estudos de novos medicamentos.
Depois que o novo medicamento é testado em cobaias – principalmente ratos – e em pessoas saudáveis, para que haja segurança – ou seja, para que saibamos que …