Pular para o conteúdo principal

ADOÇANTE FAZ MAL MESMO?

Recentemente os resultados de uma pesquisa indicando que o uso de adoçantes poderia levar ao desenvolvimento de diabetes chamaram a atenção de todo o mundo. Os adoçantes não foram criados exatamente para reduzir o uso de açúcar e, com isso, melhorar a saúde, facilitar o controle e contribuir para a prevenção do diabetes?

Agora vamos entender os resultados desse estudo!

http://wellbody.net/2012/12/29/how-safe-are-artificial-sweeteners/

Neste estudo, publicado em setembro de 2014 na revista científica Nature, os pesquisadores ofereceram os adoçantes Sacarina, Aspartamente e Sucralose a camundongos e seres humanos que não usavam adoçante. O que eles observaram foi que em ambas as espécies muitos indivíduos (não todos e, no caso de humanos, apenas 4 dos 7 participantes) apresentaram intolerância à glicose (aumento da glicemia, o que indica maior chance de desenvolver diabetes tipo 2) após iniciar o uso de adoçantes. 

Mas talvez o achado mais interessante seja a revelação do que levou a essa intolerância à glicose: alteração da flora intestinal. Segundo os pesquisadores, com o uso de adoçantes a proporção entre as diferentes espécies de bactérias se modificou, assim como as características (metabolismo) das bactérias presentes. 

http://wellbody.net/2012/12/29/how-safe-are-artificial-sweeteners/

Como sabemos, e tem sido amplamente estudado, inclusive por grupos brasileiros, as espécies de bactérias presentes no intestino podem fazer grande difereça na prevenção ou desenvolvimento de doenças várias e a alimentação tem papel fundamental na determinação de quais bactérias estão presentes em maior abundância. Alguns grupos já haviam indicado, por exemplo, que dietas hipercalóricas e ricas em gordura saturada favorecem o desenvolvimento maior de bactérias nocivas (que permitem absorção de compostos que favorecem ganho de peso e desenvolvimento de diabetes e aterosclerose), enquanto a alimentação equilibrada seguindo recomendações mais atuais (como a Healthy Eating Pyramid de Harvard) leva à prevenção de diversas doenças e facilita o controle de doenças crônicas em geral.

Portanto, o estudo que gerou polêmica sobre os adoçantes deve ser entendido como um primeiro estudo, especificamente com os adoçantes Sacarina, Aspartame e Sucralose. Os resultados negativos aconteceram devido a alterações na flora intestinal (microbiota), que está sujeita a influência, também, de muitos outros fatores e alimentos, como já publicamos aqui.

Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes, "não há no momento nenhuma recomendação no sentido de propor a suspensão do uso de adoçantes artificiais, uma vez que esses produtos são considerados seguros".

Faz-se importante sempre interpretar as pesquisas com cuidado e procurar fazer escolhas saudáveis  e, caso você tenha diabetes, que facilitem o controle da sua glicemia e reduzam seus fatores de risco para outras doenças e complicações.

Fontes:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Você deve estar se perguntando, "o que será que aconteceu com o suco de laranja? será que descobriram algum suco contaminado?" Não, não é esse o caso. Estamos falando do suco de laranja natural mesmo, não adoçado, feito na hora, ou comprado em caixinha. E o alerta é para todos que têm diabetes. Vejamos por quê.

O suco de laranja é bastante popular no Brasil. Pudera, somos exportadores de laranja e de suco de laranja. Por isso, é comum encontrar pessoas tomando suco de laranja na padaria, no bar, no restaurante, seja durante a refeição ou em seus intervalos. Além disso, todos apreciam o fato de a laranja ser uma fruta rica em vitaminas e minerais, como a vitamina C. 
Por outro lado, existe um mito em relação ao suco de laranja, assim como em relação aos outros sucos de fruta, como o suco de melancia e o de uva. "Se é natural, não tem com o que se preocupar". Porém, especialmente para quem tem diabetes, os sucos naturais podem ser vilões e atrapalhar muito o control…

Comer... Mas quando tomar a insulina?

Este artigo tem como objetivo responder uma questão que, junto à contagem de carboidratos, é cada dia mais frequente. Quando tomar a insulina ultra-rápida para os carboidratos que consumi ou consumirei? Muitas pessoas têm relatado um frequente descontrole glicêmico, resultando em Hemoglobina Glicada (A1C) alta, devido a terem hiperglicemia após a alimentação, ou mesmo por se esquecerem de tomar a insulina que deveria ter sido tomada para a refeição.
A primeira coisa que é importante saber é que essa elevação da glicemia pós-pandial (depois da alimentação) é prejudicial ao organismo, aumentando o risco de complicaçõescrônicas do diabetes.


Quanto ao momento de tomar a insulina, é importante lembrarmos que mesmo as insulinas ultra-rápidas (Lispro, Aspart e Glulisina) começam a agir entre 10 e 15 minutos após serem aplicadas. Por isso, se você já se alimentou e ainda não tomou sua insulina, sua glicemia irá subir. Os alimentos, em especial os ricos em carboidratos, começam a ser absorvid…

Xultrophy: Insulina + GLP-1 (menos hipoglicemias, melhor A1C e perda de peso!)

Por Ronaldo J. P. Wieselberg
No último congresso da ADA (American Diabetes Association), neste ano, foi apresentado um trabalho que demonstrava os benefícios de um “novo” medicamento para o diabetes, chamado Xultophy. Novo, entre aspas, porque, na verdade, ele não é exatamente algo novo no mercado...
O Xultophy nada mais é do que uma mistura (em quantidades certas!) de insulina Degludeca (Tresiba) e da Liraglutida, um dos agonistas de GLP-1 (Victoza). Os três produtos em questão – Xultrophy, Tresiba e Victoza – são produzidos pela NovoNordisk. Até aí, nada demais – não fosse o fato de que o Xultophy “venceu” a Lantus (insulina glargina) durante o estudo, ou seja, exibiu mais benefícios para pessoas com diabetes tipo 2 (DM2).
Para entender essa “vitória”, vamos explicar rapidamente como são feitos os estudos de novos medicamentos.
Depois que o novo medicamento é testado em cobaias – principalmente ratos – e em pessoas saudáveis, para que haja segurança – ou seja, para que saibamos que …