Pular para o conteúdo principal

Fim do Paciente: é hora de mudança!

Por Mark Barone, PhD

Pode parecer chocante o título, mas o conceito não é novo. O desafio é colocar em prática a transformação do paciente em um sujeito ativo, participante das decisões e ações relativas à sua saúde. Talvez, por isso, o termo ainda impere. Mesmo quando se põe o paciente em posição central de seus cuidados, nos diagramas que representam o conceito, ainda assim, aparece um indivíduo passivo, atendido por diferentes profissionais que fazem as escolhas por ele. No caso de doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs), como o diabetes, as razões para essa preocupação são ainda maiores. Todos sabem que menos de 1% do tempo de quem vive com uma DCNT é despendido dentro de uma clínica, consultório ou hospital. Os outros mais de 99% do tempo se passam no trabalho, lazer, em casa, com a família, etc., ocasiões essas que demandam da pessoa com diabetes (DM), ou outra DCNT, uma postura ativa, com tomadas frequentes de decisão.


Nos últimos anos muito se tem discutido sobre a importância da inclusão do (im)paciente também em comitês decisórios sobre saúde coletiva, pesquisas clínicas, desenvolvimento de fármacos e equipamentos médicos. Afinal, quem será diretamente afetado por essas escolhas? O Brasil ainda não foi muito longe nesses aspectos. Ainda assim, deve-se lembrar que nos Comitês de Ética em Pesquisa com Seres Humanos, por exemplo, há o assento do representante dos usuários. Essa posição destina-se a ser ocupada por alguém em condições de participar das discussões para aprovação ou não de pesquisas, idealmente um “paciente” ativo e muito bem informado, pensando nas pessoas que se sujeitarão a elas.

Não bastassem os motivos apontados acima, em um recente artigo de opinião, Len Schlesinger e John Fox (2016) apresentam os custos como outro intrigante motivo para engajar e empoderar o “paciente”, tornando-o sujeito ativo, consciente de suas responsabilidades. Ainda em fase embrionária no Brasil, o modelo de remuneração por resultados em saúde (value-based healthcare/reimbursment, VBHC, em inglês) deixa de pagar por consultas e outros procedimento apenas por terem acontecido, e passa a acompanhar o desfecho e os resultados para então remunerar o prestador de serviço. Portanto, o pagamento dos profissionais de saúde, clínicas e hospitais passa a depender do que foi atingido. Um exemplo disso são serviços e profissionais de endocrinologia/diabetes nos EUA que recebem de acordo com a hemoglobina glicada dos seus pacientes. Por esse motivo, e sabendo que mais de 99% do tempo a pessoa com DCNT estará no comando, os autores propõem que se entenda sua dedicação (estimada em 2 horas por dia) como um trabalho que deve estar desenhado para que os melhores resultados sejam atingidos. Enfatizam que, para isso, no lugar de enxergar a pessoa de forma passiva, recebedora de cuidados, deve-se vê-la como ativa e produtora de seus próprios cuidados.

Outra vantagem, levantada pelos mesmos autores, é a redução de custos de saúde com a obtenção de melhores resultados. Para isso, sugerem medidas para motivar, engajar e facilitar a ação dos “pacientes”, incluindo: acesso à informação que precisam para seus cuidados, suporte de um sistema desenhado para ajudá-los a realizar efetivamente o trabalho, feedback e comunicação aberta, e conhecimento de responsabilidades e papéis claros. Recursos tecnológicos, como o uso de equipamentos médicos e aplicativos, são destacados; com o cuidado de  lembrar que podem sim tornar o trabalho mais fácil, mas não substituem o papel do usuário [nem o dos profissionais de saúde].

Portanto, quem sabe surja em breve um termo melhor para “paciente”, seja impaciente ou ativente, visto que o sucesso do tratamento, controle, auto-cuidado, manejo ou auto-manejo (prefiro os últimos 3 termos, no caso de DCNTs) desse indivíduo extrapola muito a fase de consulta ou internação (quando também ele não deve ter um papel paciente/passivo, se quisermos aumentar as chances de desfechos clínicos e econômicos positivos para todos). Concluindo em consonância com os autores do artigo: “é amplamente aceito que nunca alcançaremos o objetivo da Meta Tripla - reduzir os custos, melhorar a saúde da população e melhorar a experiência do paciente - sem colocar o paciente [de forma ativa] no centro de seus próprios cuidados”.

Referência
Schlesinger, L; Fox, J. Giving patients an active role in their health care. Harvard Business Reviews, 21 Nov, 2016

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comer... Mas quando tomar a insulina?

Este artigo tem como objetivo responder uma questão que, junto à contagem de carboidratos, é cada dia mais frequente. Quando tomar a insulina ultra-rápida para os carboidratos que consumi ou consumirei? Muitas pessoas têm relatado um frequente descontrole glicêmico, resultando em Hemoglobina Glicada (A1C) alta, devido a terem hiperglicemia após a alimentação, ou mesmo por se esquecerem de tomar a insulina que deveria ter sido tomada para a refeição.
A primeira coisa que é importante saber é que essa elevação da glicemia pós-pandial (depois da alimentação) é prejudicial ao organismo, aumentando o risco de complicaçõescrônicas do diabetes.


Quanto ao momento de tomar a insulina, é importante lembrarmos que mesmo as insulinas ultra-rápidas (Lispro, Aspart e Glulisina) começam a agir entre 10 e 15 minutos após serem aplicadas. Por isso, se você já se alimentou e ainda não tomou sua insulina, sua glicemia irá subir. Os alimentos, em especial os ricos em carboidratos, começam a ser absorvid…

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Você deve estar se perguntando, "o que será que aconteceu com o suco de laranja? será que descobriram algum suco contaminado?" Não, não é esse o caso. Estamos falando do suco de laranja natural mesmo, não adoçado, feito na hora, ou comprado em caixinha. E o alerta é para todos que têm diabetes. Vejamos por quê.

O suco de laranja é bastante popular no Brasil. Pudera, somos exportadores de laranja e de suco de laranja. Por isso, é comum encontrar pessoas tomando suco de laranja na padaria, no bar, no restaurante, seja durante a refeição ou em seus intervalos. Além disso, todos apreciam o fato de a laranja ser uma fruta rica em vitaminas e minerais, como a vitamina C. 
Por outro lado, existe um mito em relação ao suco de laranja, assim como em relação aos outros sucos de fruta, como o suco de melancia e o de uva. "Se é natural, não tem com o que se preocupar". Porém, especialmente para quem tem diabetes, os sucos naturais podem ser vilões e atrapalhar muito o control…

Xultrophy: Insulina + GLP-1 (menos hipoglicemias, melhor A1C e perda de peso!)

Por Ronaldo J. P. Wieselberg
No último congresso da ADA (American Diabetes Association), neste ano, foi apresentado um trabalho que demonstrava os benefícios de um “novo” medicamento para o diabetes, chamado Xultophy. Novo, entre aspas, porque, na verdade, ele não é exatamente algo novo no mercado...
O Xultophy nada mais é do que uma mistura (em quantidades certas!) de insulina Degludeca (Tresiba) e da Liraglutida, um dos agonistas de GLP-1 (Victoza). Os três produtos em questão – Xultrophy, Tresiba e Victoza – são produzidos pela NovoNordisk. Até aí, nada demais – não fosse o fato de que o Xultophy “venceu” a Lantus (insulina glargina) durante o estudo, ou seja, exibiu mais benefícios para pessoas com diabetes tipo 2 (DM2).
Para entender essa “vitória”, vamos explicar rapidamente como são feitos os estudos de novos medicamentos.
Depois que o novo medicamento é testado em cobaias – principalmente ratos – e em pessoas saudáveis, para que haja segurança – ou seja, para que saibamos que …