Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2015

Evitar a Lipodistrofia e Fazer o Rodízio MELHORA a GLICEMIA (cientificamente comprovado!)

Imagem
Por Deise Santiago
A lipohipertrofia é um efeito colateral que pode acontecer em pessoas que utilizam a terapia com insulina. Trata-se de uma alteração tecidual e seu impacto na absorção da insulina e na variabilidade da glicêmica ainda não havia sido investigado sistematicamente.
O objetivo do estudo resumido aqui foi comparar os efeitos da aplicação da insulina subcutânea em regiões com lipohipertrofia e em regiões com tecido adiposo normal, no controle da glicemia pós-prandial e na absorção da insulina subcutânea em 13 pacientes com diabetes tipo 1.

Os pacientes receberam duas refeições com 75 g de carboidratos, separadas por pelo menos 6 h, cada uma acompanhada de uma única dose de 0,15 U/kg de insulina lispro, injetada antes da refeição começar em regiões com lipohipertrofia ou no tecido normal, de modo casual. 
A glicemia pré-refeição foi ajustada para 80 a 120 mg/dL. As concentrações das glicemias médias pós-prandiais foram significativamente aumentadas após a aplicação em regiõ…

Pâncreas Artificial desenvolvido na Universidade de Yale

Imagem
No vídeo abaixo, o depoimento de uma jovem com diabetes tipo 1 enquanto participava da pesquisa para desenvolvimento do Pâncreas Artificial na Faculdade de Medicina da Universidade de Yale, nos EUA.
Esse é apenas um dos projetos de Pâncreas Artificial que está em desenvolvimento, conheça sobre os diferentes projetos (Pâncreas Artificial e Pâncreas Biônico) e excelentes resultados clicando aqui.

Atividade Física desde a Infância, um Investimento na Prevenção de Complicações

Imagem
Por Mark Barone
Pode parecer óbvio que a prática de atividade física, especialmente se regular e planejada (exercício físico), auxilia na prevenção de complicações através da melhoria do controle glicêmico. Contudo, pesquisadores indicam que não é só isso. Ou melhor, a prática regular de atividade física, aliada a um estilo de vida saudável (com destaque à alimentação), pode melhorar outros fatores de risco para o desenvolvimento de complicações, incluindo: hipertensão, dislipidemia e obesidade. Mesmo para quem não tem diabetes, o investimento também vale a pena. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a inatividade física é a principal causa de aproximadamente 21%-25% dos cânceres de mama e de cólon, 27% dos casos de diabetes e aproximadamente 30% da carga de doença isquêmica do coração.1
No caso de estudos durante acampamentos de diabetes, nos quais as crianças praticam atividade física todos os dias e se alimentam de forma saudável, os resultados são muito promissores. …

Mais Bombas com Sensor e Sensores Mais Inteligentes!

Imagem
Foram anunciadas 2 aprovações importantes pelo FDA, agência dos EUA que controla medicamentos e alimentos. 
O primeiro deles é o G5 Mobile CGM System, da Dexcom. Além do fato de os sensores da Dexcom já serem muito apreciados nos EUA, no caso desse sistema, não haverá mais a necessidade do equipamento que recebe os dados da glicose e apresenta em uma tela. Isso porque o G5 Mobile transfere os resultados da glicose diretamente para o celular por Bluetooth! Portanto, os valores, gráficos e tendências podem ser acompanhado diretamente no celular, ou mesmo no SmarthWatch, como o AppleWatch! Para completar, esses dados são transferidos automaticamente para a nuvem, através da internet do celular, e todos os que tiverem acesso (familiares, equipe de saúde, etc.) podem ter acesso a tudo isso em tempo real!

A outra aprovação certamente alegrou muito os estadunidenses, visto que é um sistema que combina a bomba preferida (t:slim, da empresa Tandem) e o sensor preferido (o G4 da Dexcom) de muit…

Qual é a melhor forma de ajudar alguém com diabetes?

Imagem
Recentemente a revista Diabetes Forecast, uma das mais famosas e creditadas revistas em diabetes dos Estados Unidos, publicou na sua sessão de perguntas e respostas aos experts, uma entrevista com a psicóloga PhD, especialista em diabetes e co-fundadora do Behavioral Diabetes Institute, de San Diego, Dra. Susan Guzman. O assunto? Como melhor ajudar pessoas com diabetes
O tema é algo que constantemente surge em bate-papos e eventos relacionados à saúde do paciente com diabetes e sua família, além das redes sociais. Realmente, cada um entende a ajuda de uma forma diferente, e a comunicação é grande aliada nesse processo. As dicas da especialista poderão também auxiliá-lo a ajudar seu ente querido. 
O artigo enfatiza que ajudar pessoas com diabetes a mudar seu gerenciamento da condição pode ser complicado e é preciso encontrar um equilíbrio entre o incentivo e o apoio, sem entrar em críticas ou reclamações.
O artigo começa com a seguinte pergunta de uma leitora: “Minha mãe têm 58 anos…