Pular para o conteúdo principal

Medindo a glicemia sem precisar furar o dedo

Ainda durante o congresso da Associação Americana de Diabetes (ADA) de 2011 foram apresentados resultados de duas pesquisas muito interessantes, com formas não-invasivas e locais alternativos para se dosar a glicose.

GlucoTrack - www.integrity-app.com/description.html

Em um deles a glicose foi dosada de forma indireta através das expiração dos indivíduos. Isto é, a composição do ar exalado por essas pessoas foi analisada e a quantidade de moléculas resultantes da presença de glicose no sangue foi identificada. Com isso, foi possível chegar a valores de glicose muito próximos aos valores da ponta-de-dedo (glicemia capilar). Apesar de os primeiros resultados terem sido bastante promissores, ainda há desafios a serem superados. Entre eles estão: verificar em número maior de pessoas e em diferentes níveis de glicemia se a precisão se mantém, transformar o analisador da expiração em algo portátil e de fácil utilização, e deixá-lo com custo de aquisição e manutenção tão ou mais baixo que dos glicosímetros atuais.



O outro equipamento apresentado, chamado GlucoTrack, é como um palm que se liga através de um cabo à uma espécie de mini-pregador que se prende à orelha. Se por um lado este já parece mais portátil que o outro, também há limitações. De qualquer forma, na pesquisa apresentada no Congresso da ADA, 97% dos usuários acharam o equipamento confortável para se usar e 87% dos usuários declararam usar o equipamento mais frequentemente que os glicosímetros normais. Para se dosar a glicose com esse aparelho basta calibra-lo 1 vez com o resultado de 1 ponta-de-dedo e depois sempre que se prende novamente o mini-pregador ao lobo da orelha, o resultado da glicemia é apresentado. Porém, assim como no caso do outro equipamento, há limitações. Incluindo aí o fato de depender de calibração com glicosímetro, mesmo que sejam poucas calibrações; a necessidade de se verificar a precisão do equipamento em número maior de pessoas e em diferentes níveis de glicemia; e deixá-lo com custo de aquisição e manutenção tão ou mais baixo que dos glicosímetros atuais.


Portanto, é muito positivo saber que equipamentos não-invasivos (não dependem de coletar sangue / furar o dedo para dosar a glicemia) estão sendo desenvolvidos, mas nenhum está finalizado e aprovado para comercialização... talvez ainda leve algum tempo para vê-los no mercado. 

Veja também:

Bomba com sensor tem efeito comprovado para o controle do diabetes em crianças DM1


E insulina sem agulha, é possível?


INSULINA INALÁVEL, SERÁ QUE AGORA DARÁ CERTO?

Comentários

  1. onde posso encontra um aparelho desse ?

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente ainda não há como comprar esses aparelhos. Eles estão em fase de teste/desenvolvimento. Ainda levará algum tempo para que sejam comercializados.

    ResponderExcluir
  3. em que ano vai ser lançado esse medidor de glicose ?

    ResponderExcluir
  4. Prezada Isabella, infelizmente não é possível responder sua pergunta, visto que esses equipamentos passam por longos processos de pesquisa até que convençam as agências reguladoras (FDA nos EUA e ANVISA no Brasil) de que são seguros e precisos. Portanto, não é possível dizer ao certo quando conseguirão aprovação para comercialização.

    Ao mesmo tempo, há outros equipamentos, também interessantes, que já estão lançados ou eu fase de aprovação: http://tenhodiabetestipo1eagora.blogspot.com.br/2014/06/glicemia-sem-sangue-ou-no-celular.html

    ResponderExcluir
  5. vocês sabem se existe algum outro aparelho que não precisa furar o dedo disponível no mercado? se souberem por favor me indique.

    ResponderExcluir
  6. Alguma novidade sobre esses aparelhos ?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Você deve estar se perguntando, "o que será que aconteceu com o suco de laranja? será que descobriram algum suco contaminado?" Não, não é esse o caso. Estamos falando do suco de laranja natural mesmo, não adoçado, feito na hora, ou comprado em caixinha. E o alerta é para todos que têm diabetes. Vejamos por quê.

O suco de laranja é bastante popular no Brasil. Pudera, somos exportadores de laranja e de suco de laranja. Por isso, é comum encontrar pessoas tomando suco de laranja na padaria, no bar, no restaurante, seja durante a refeição ou em seus intervalos. Além disso, todos apreciam o fato de a laranja ser uma fruta rica em vitaminas e minerais, como a vitamina C. 
Por outro lado, existe um mito em relação ao suco de laranja, assim como em relação aos outros sucos de fruta, como o suco de melancia e o de uva. "Se é natural, não tem com o que se preocupar". Porém, especialmente para quem tem diabetes, os sucos naturais podem ser vilões e atrapalhar muito o control…

Comer... Mas quando tomar a insulina?

Este artigo tem como objetivo responder uma questão que, junto à contagem de carboidratos, é cada dia mais frequente. Quando tomar a insulina ultra-rápida para os carboidratos que consumi ou consumirei? Muitas pessoas têm relatado um frequente descontrole glicêmico, resultando em Hemoglobina Glicada (A1C) alta, devido a terem hiperglicemia após a alimentação, ou mesmo por se esquecerem de tomar a insulina que deveria ter sido tomada para a refeição.
A primeira coisa que é importante saber é que essa elevação da glicemia pós-pandial (depois da alimentação) é prejudicial ao organismo, aumentando o risco de complicaçõescrônicas do diabetes.


Quanto ao momento de tomar a insulina, é importante lembrarmos que mesmo as insulinas ultra-rápidas (Lispro, Aspart e Glulisina) começam a agir entre 10 e 15 minutos após serem aplicadas. Por isso, se você já se alimentou e ainda não tomou sua insulina, sua glicemia irá subir. Os alimentos, em especial os ricos em carboidratos, começam a ser absorvid…

Xultrophy: Insulina + GLP-1 (menos hipoglicemias, melhor A1C e perda de peso!)

Por Ronaldo J. P. Wieselberg
No último congresso da ADA (American Diabetes Association), neste ano, foi apresentado um trabalho que demonstrava os benefícios de um “novo” medicamento para o diabetes, chamado Xultophy. Novo, entre aspas, porque, na verdade, ele não é exatamente algo novo no mercado...
O Xultophy nada mais é do que uma mistura (em quantidades certas!) de insulina Degludeca (Tresiba) e da Liraglutida, um dos agonistas de GLP-1 (Victoza). Os três produtos em questão – Xultrophy, Tresiba e Victoza – são produzidos pela NovoNordisk. Até aí, nada demais – não fosse o fato de que o Xultophy “venceu” a Lantus (insulina glargina) durante o estudo, ou seja, exibiu mais benefícios para pessoas com diabetes tipo 2 (DM2).
Para entender essa “vitória”, vamos explicar rapidamente como são feitos os estudos de novos medicamentos.
Depois que o novo medicamento é testado em cobaias – principalmente ratos – e em pessoas saudáveis, para que haja segurança – ou seja, para que saibamos que …