Diabetes e Atividades Físicas: Benefícios e Riscos

Yasmin H. Ammar

Já ouvimos que pessoas com diabetes não podem praticar nenhum tipo de exercício ou atividade física. Porém, muitos não sabem que isso é um mito! De acordo com endocrinologistas de todo o país, a prática esportiva é benéfica para todas as pessoas, inclusive para aquelas com diabetes. Além de auxiliar no controle glicêmico, exercícios físicos ajudam a manter o peso adequado e melhoram os níveis de colesterol, triglicérides e pressão arterial, assim como outros diversos benefícios. Portanto, o exercício físico, junto com uma alimentação balanceada, é nosso grande aliado.

Grupo Nova Equipe, treinador Emerson Bisan (DM1)
Objetivo: reunir pessoas com diabetes através do esporte
Ter diabetes não nos priva de fazer nada! Um exemplo disso são atletas como: Alexei Angelo Caio e Marcello Bellon (alpinistas e corredores), Emerson Bisan e Carla Prisco (ultramaratonistas), Gary Hall Jr (um dos grandes velocistas da história da natação, com 5 medalhas de ouro em Olimpiadas), Charlie Kimbal (primeiro insulino-dependente a ganhar uma prova de Formula Indy), assim como outros atletas que mostram que são mais fortes que o diabetes e que podem controlá-lo.

Se você estiver se perguntando "qual a melhor atividade física para o bom controle do meu diabetes?", saiba que você pode fazer qualquer atividade, não há uma melhor do que a outra, o que importa é fazer o exercício que goste! Lembrando que sempre se deve falar com seu médico a respeito e tomar os cuidados necessários antes das atividade para evitar hipo e hiperglicemias e problemas futuros. E um aviso importante para pessoas que já possuem complicações do diabetes (neuropatia, retinopatia e nefropatia): procure um profissional de educação física especialista em diabetes, pois atividades físicas mal orientadas podem agravar as complicações!

A fim de tratar eventos inesperados, é indispensável sempre carregar correções para hipoglicemia (balas mastigáveis, gel de carboidrato e etc.), assim como glicosímetro, insulinas e carteirinha de identificação. Em caso de uma hipo ou hiperglicemia severa, na qual não conseguimos corrigir a glicemia sozinhos, tendo a carteirinha de identificação permitirá que a pessoa que está prestando auxilio saiba o que fazer. Qualquer sinal/sintoma diferente vale a pena uma parada para checar a glicemia, especialmente: suor excessivo, palpitações, tremores, confusão, sonolência, falta de coordenação, náuseas e dor de cabeça (frequentemente relacionados à hipoglicemia) ou sede, inquietação, nervosismo, cãibras, visão turva, dor abdominal e aumento de diurese (mais característicos da hiperglicemia).

Além do profissional médico e/ou de educação física, podemos contar com a ajuda de instituições como a ADJ (ADJ DIABETES BRASIL) e a SBD (Sociedade Brasileira de Diabetes). E lembre-se... a atividade física é um dos nossos maiores aliados para o controle do diabetes!

Yasmin H. Ammar
8º Treinamento de Jovens Líderes em Diabetes
ADJ Diabetes Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Pâncreas Artificial, uma realidade! Como faço para ter um?

Hemoglobina Glicada (A1C ou HbA1c) para controle e diagnóstico do diabetes