Pular para o conteúdo principal

O que é Colesterol? Por que quem tem diabetes deve se preocupar?

Para responder a essas 2 perguntas convidamos a professora de educação física, com pós-graduação no Instituto do Coração da USP (InCor) e com doutorado sobre o tema pela Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), Isabel Ribeiro. Segue resposta.

http://www.magraemergente.com/cardapio/gordura-x-acucar-qual-deles-e-o-grande-vilao

O Colesterol tem função essencial no adequado funcionamento do organismo porque auxilia na formação, reprodução e crescimento de todas as células do corpo. Podemos dizer que é uma gordura produzida pelo próprio organismo e também adquirida no consumo de alimentos de origem animal.

Para se locomover e chegar ao seu destino, o colesterol precisa se fixar a proteínas presentes no organismo. Dessa união nascem as lipoproteinas LDL colesterol e HDL colesterol. A LDL transporta colesterol para todo o organismo e, sabiamente, apenas a quantidade adequada será utilizada. O excesso fica disponível para ser depositado nos vasos sanguíneos e formar placas gordurosas responsáveis pela obstrução, favorecendo a Aterosclerose. A LDL pode se elevar pela maior ingestão de gorduras na dieta diária, por obesidade, inatividade física e predisposição genética. Daí sua fama de “colesterol ruim”.
Já a HDL é capaz de remover o excesso de colesterol da parede das artérias, por isso é chamada de “colesterol bom”. Quando a pessoa apresenta uma elevada concentração de HDL em proporção a LDL, as chances de desenvolver Aterosclerose são bem reduzidas. Porém, aumentar a HDL não é fácil. Sabe-se que a atividade física pode ser uma importante aliada para isso.
É importante checar os valores por meio de exames laboratoriais pelo menos uma vez ao ano. Adultos com Diabetes devem ter como metas valores de ColesterolTotal <200 mg/dL,  LDL <100 mg/dL,colesterol HDL >50 mg/dL; triglicérides <150 mg/dL. Esses valores podem ser mais estreitos no caso da associação do Diabetes com outras doenças crônicas.
É bem comum em Diabetes tipo 2 o organismo ser resistente à ação da insulina, sendo que este fato ocorre mesmo antes do diagnóstico, em consequência se estabelece a Dislipidemia Diabética (DLPD) ou distúrbio no metabolismo de gorduras, incluindo o LDL, o HDL e os triglicérides. A DLPD é caracterizada por um aumento excessivo de triglicérides, levando a presença de alta concentração de gorduras no sangue no período pós alimentar, devido à mais lenta metabolização (ou melhor, uso mais lento dessas gorduras).
A DLPD associada especialmente ao aumento da glicemia favorece o desenvolvimento precoce de Aterosclerose. Este quadro estimula o desenvolvimento da Doença Arterial Coronariana a qual, em grande parte, é responsável pelo aumento das complicações e da mortalidade na população com Diabetes.
Pessoas com Diabetes tipo 1 também podem ter desenvolvimento precoce de Aterosclerose. Isto pode estar relacionado a fatores genéticos, hiperglicemia, ganho de peso devido aumento no tratamento insulínico, mudanças no padrão alimentar, sedentarismo, entre outros.
Um programa de Educação e o auto gerenciamento do Diabetes são muito importantes para o sucesso do tratamento. A alimentação saudável e a prática regular de atividade física favorecem uma adequada composição corporal e são excelentes ferramentas para prevenção e combate a DLPD. Portanto, adote hábitos saudáveis desde já!

Referência Bibliográfica
- American Diabetes Association. Standards of Medical Care in Diabetes – 2010. Diabetes Care 33(Suppl 1):S11-S61, 2010.

- Isabel C. D. Ribeiro et al. HDL Atheroprotection by Aerobic Exercise Training in Type 2 Diabetes Mellitus. Medice & Science in Sports & Exercise. 40. n 5, 779-786, 2008.

- Alessandra S. de M. Matheus et al.  Dislipidemia no DM1: Abordagem Atual. Arq Bras Endocrinol Metab. 52/2, 2008.

Isabel C. D. Ribeiro
Dra. Ciências da Saúde
Educador Físico
CREF 6418-G/SP
Isabel.ribeiro@saudesublime.com.br
www.saudesublime.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Você deve estar se perguntando, "o que será que aconteceu com o suco de laranja? será que descobriram algum suco contaminado?" Não, não é esse o caso. Estamos falando do suco de laranja natural mesmo, não adoçado, feito na hora, ou comprado em caixinha. E o alerta é para todos que têm diabetes. Vejamos por quê.

O suco de laranja é bastante popular no Brasil. Pudera, somos exportadores de laranja e de suco de laranja. Por isso, é comum encontrar pessoas tomando suco de laranja na padaria, no bar, no restaurante, seja durante a refeição ou em seus intervalos. Além disso, todos apreciam o fato de a laranja ser uma fruta rica em vitaminas e minerais, como a vitamina C. 
Por outro lado, existe um mito em relação ao suco de laranja, assim como em relação aos outros sucos de fruta, como o suco de melancia e o de uva. "Se é natural, não tem com o que se preocupar". Porém, especialmente para quem tem diabetes, os sucos naturais podem ser vilões e atrapalhar muito o control…

Comer... Mas quando tomar a insulina?

Este artigo tem como objetivo responder uma questão que, junto à contagem de carboidratos, é cada dia mais frequente. Quando tomar a insulina ultra-rápida para os carboidratos que consumi ou consumirei? Muitas pessoas têm relatado um frequente descontrole glicêmico, resultando em Hemoglobina Glicada (A1C) alta, devido a terem hiperglicemia após a alimentação, ou mesmo por se esquecerem de tomar a insulina que deveria ter sido tomada para a refeição.
A primeira coisa que é importante saber é que essa elevação da glicemia pós-pandial (depois da alimentação) é prejudicial ao organismo, aumentando o risco de complicaçõescrônicas do diabetes.


Quanto ao momento de tomar a insulina, é importante lembrarmos que mesmo as insulinas ultra-rápidas (Lispro, Aspart e Glulisina) começam a agir entre 10 e 15 minutos após serem aplicadas. Por isso, se você já se alimentou e ainda não tomou sua insulina, sua glicemia irá subir. Os alimentos, em especial os ricos em carboidratos, começam a ser absorvid…

Xultrophy: Insulina + GLP-1 (menos hipoglicemias, melhor A1C e perda de peso!)

Por Ronaldo J. P. Wieselberg
No último congresso da ADA (American Diabetes Association), neste ano, foi apresentado um trabalho que demonstrava os benefícios de um “novo” medicamento para o diabetes, chamado Xultophy. Novo, entre aspas, porque, na verdade, ele não é exatamente algo novo no mercado...
O Xultophy nada mais é do que uma mistura (em quantidades certas!) de insulina Degludeca (Tresiba) e da Liraglutida, um dos agonistas de GLP-1 (Victoza). Os três produtos em questão – Xultrophy, Tresiba e Victoza – são produzidos pela NovoNordisk. Até aí, nada demais – não fosse o fato de que o Xultophy “venceu” a Lantus (insulina glargina) durante o estudo, ou seja, exibiu mais benefícios para pessoas com diabetes tipo 2 (DM2).
Para entender essa “vitória”, vamos explicar rapidamente como são feitos os estudos de novos medicamentos.
Depois que o novo medicamento é testado em cobaias – principalmente ratos – e em pessoas saudáveis, para que haja segurança – ou seja, para que saibamos que …