6 pacientes DM1 sem insulina por mais de 3 anos... estão curados?

O grupo da Unidade de Transplante de Medula Óssea do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto - USP tem, desde 2003, realizado procedimento denominado Transplante Autólogo de Células Tronco Hematopoéticas em Pacientes com DM1 Recém-Diagnosticado”. Tal procedimento tem aparecido na mídia  de forma recorrente no Brasil, assim como em outros países. As razões para isso são o desenvolvimento de uma nova metodologia e os resultados espetaculares atingidos. Entre eles, o que mais chama a atenção é a não necessidade de insulina por 40 a quase 80 meses (até o momento) após o procedimento, em pessoas que tiveram o diagnóstico de diabetes do tipo 1!





Entretanto, os coordenadores da pesquisa enfatizam que não se trata de cura, mas de uma terapia. Além disso, é importante saber que existe uma série de critérios para poder se submeter a esse tipo de procedimento e que, por se tratar de um procedimento com imunossupressão, tem riscos. Segundo os pesquisadores, mais importante do que a não necessidade de insulina nesses pacientes, é a preservação de parte das células betas (produtoras de insulina) do pâncreas. O total de pacientes que se submeteu ao procedimento é de 25 e, apesar de apenas 6 estarem sem necessitar aplicação de insulina até o momento, os demais necessitam de uma quantidade muito menor de insulina, sendo, em geral, suficiente 1 aplicação de insulina ultra-lenta por dia.


A importância de se preservar células beta é se conseguir um controle glicêmico melhor e mais estável e reduzir o risco de complicações crônicas. Mas conhecendo então esses ótimos resultados, vejamos abaixo quais os critérios de inclusão de um paciente na pesquisa, seguidos do detalhamento do procedimento:

  • Menos de 3 meses de diagnóstico
  • 12-35 anos de idade
  • Presença de anti-GAD (anticorpo mais comum em quem tem diabetes tipo 1)

  1. Coleta de células hematopoiéticas no sangue (após 2 dias de medicação que estimula a liberação dessas células-tronco)
  2. 5 dias de imunossupressão (acontece uma espécie de destruição do sistema imune, incluindo a eliminação dos anticorpos que levaram ao ataque das células do pâncreas)
  3. As células tronco hematopoiéticas coletadas são reinfundidas para que o sistema imune seja refeito

Portanto, as células-tronco em questão não produzem novas células do pâncreas, mas sim células do sistema imune, que é totalmente destruído durante o procedimento, para que seja refeito com a infusão das células-tronco do próprio indivíduo. Assim, as células beta do pâncreas que não haviam sido destruídas deixam de sofrer ataque do sistema imune antigo. Contudo, é possível que algumas pessoas voltem a necessitar aplicar insulina porque: 1) grande parte das células beta do pâncreas já haviam sido destruídas antes do procedimento; 2) ou porque o pâncreas voltou a ser atacado após o procedimento.

Veja o depoimento dessa jovem que passou pelo procedimento, publicado no site da SBD:

  • Isabela Julião, 17 anos, estudante, fez o transplante em 2006, após três semanas de diagnóstico do diabetes.

“Foi muito bom fazer o transplante porque tomei insulina menos de um mês. Me sinto até melhor do que antes. O tratamento foi um pouco doloroso, mas, tirando isso, tudo ótimo! Sou de Ilhabela (SP) e agora estou estudando em Campinas (SP). Fiquei quase três meses em tratamento, em Ribeirão Preto. De vez em quando, volto para fazer exames. Valeu a pena!” 

Se você acredita que está dentro do perfil e tem interesse em se submeter ao procedimento, um dos coordenadores do estudo deixa seu contato:  Dr. Eduardo Couri, e-mail: ce.couri@yahoo.com.br


Veja também: 

Comentários

  1. Fiquei muito feliz c/essa oportunidade de tratamento. Queria saber se ja existem pacientes mais jovens, meu filho de 4 anos foi diagnosticado recente e está passando pela chamada fase de lua de mel.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Hemoglobina Glicada (A1C ou HbA1c) para controle e diagnóstico do diabetes

Pâncreas Artificial, uma realidade! Como faço para ter um?