Pular para o conteúdo principal

Aplicação sem agulha... uma realidade que está para chegar...

Um ano atrás, em 4 de setembro, publicamos um artigo que teve grande visualização e gerou comentários a respeito. Intitulado "E Insulina Sem Agulha, É Possível?", a matéria discutia sobre os injetores de insulina por pressão (jet injectors). Alguns comentaram que no passado haviam experimentado e que era mais doloroso que a aplicação com uso de agulha. Outro visitante disse que havia acabado de comprar um aplicador no exterior e que era super confortável. Para nossa surpresa esta questão veio a tona novamente neste ano, e as novidades são as seguintes...


- Em pesquisa recém publicada em uma das mais importantes revistas científicas da área de diabetes, Diabetes Care, os autores compararam aplicação de insulina utra-rápida com caneta de aplicação (com agulha) e com um modelo de jet injector, e concluíram que na aplicação com o jet injector: a insulina ultra-rápida teve sua absorção aumentada e efeito mais rápido (começou antes e terminou antes o efeito da insulina ultra-rápida em questão), o que os autores viram de forma positiva, já que é mais semelhante à forma de ação da insulina secretada pelo pâncreas de quem não tem diabetes.

- Aparentemente os jet injectors de hoje estão melhores que os do passado. No passado a pressão era produzida por ar comprimido e hoje é por uma mola. Além disso, outras partes do aplicador devem ter sido aperfeiçoadas a fim de produzir uma aplicação mais confortável.


- E para a alegria de quem gostaria tanto de testar um jet injector, pode comemorar. Finalmente está chegando ao Brasil um equipamento (Safe-Inject), que segundo o laboratório que o comercializará (Hemocat), estará disponível a partir do final do mês de outubro de 2011!

- Tivemos a oportunidade de testar esse equipamento que chegará ao Brasil (foto 2), o que nos permite fazer alguns comentários a respeito. Tanto em relação aos pontos positivos quanto ao que ainda precisa ser melhorado no equipamento em questão.

  • Os principais pontos positivos são: 
  1. É realmente atraente um aplicador sem agulha!
  2. Este equipamento tem um orifício, por onde sai a insulina, mais fino que a mais fina das agulhas, de apenas 0,17mm.
  3. Em três aplicações, com a dose máxima que comporta, 30 unidade, o procedimento se mostrou bastante confortável, praticamente indolor
  • Entre os pontos que ainda precisam ser melhorados estão:
  1. Para armar a mola do aplicador, o que deve ser feito antes de cada aplicação, é necessário um instrumento de dimensões relativamente grandes (~20 cm), tornando o equipamento menos portátil que as canetas de insulina.
  2. Para a aplicação de insulina acontecer corretamente, com toda a insulina penetrando a pele, o dispositivo precisa estar em 90 graus precisos à pele. Foi possível verificar que isso depende de prática e que a aplicação em locais de acesso mais difícil, como região posterior do corpo, pode ser impraticável. Portanto, aos futuros usuários do equipamento é interessante praticar muitas vezes com soro, já que se nem toda a insulina penetrar a pele, fica difícil saber quanto vazou para poder corrigir. 
  3. A ampola, onde se coloca a insulina a ser injetada, tem marcações a partir de 5 unidades de insulina, até 30 unidades de insulina. Portanto, para se tomar menos de 5 unidade seria necessário outro método e para se tomar mais de 30, seria necessário mais de 1 procedimento.

Algumas outras informações importantes sobre o equipamento são:
  • A previsão de custo do kit inicial, que vem com o aplicador e uma quantidade limitada de descartáveis, está entre 1200 e 1500 reais.
  • Os descartáveis que deverão ser adquiridos mensalmente são: as ampolas (onde se coloca a insulina, e que o fabricante recomenda a troca a cada aplicação) e o adaptador (que serve para conectar o frasco de insulina à ampola, e que deve ser trocado ao final de cada frasco de insulina). Ambos com custo unitário anda não divulgado. 
  • Inicialmente será comercializado somente na Grande São Paulo, diretamente pela empresa representante no Brasil (que enfatiza que o produto é utilizado na Alemanha desde 2001).

Agora é esperar que mais pessoas vejam, testem e comentem o produto. Talvez para muitos já habituados às canetas de aplicação ou bombas de insulina, a novidade não surpreenda tanto. Aos recém diagnosticados, e os que vêem a presença de agulha como um obstáculo às aplicações diárias de insulina, ou múltiplas-aplicações, os jet-injectors podem ser uma alternativa.

Leia, ainda:

Dicas úteis para aplicação de insulina


E insulina sem agulha, é possível?


Agulhas de insulina se tornarão invisíveis?


Medindo a glicemia sem precisar furar o dedo


INSULINA INALÁVEL, SERÁ QUE AGORA DARÁ CERTO?

Comentários

  1. Pelo que entendi no seu post voce mesmo testou o aplicador??? como vc conseguiu? Teve que comprar?

    ResponderExcluir
  2. Cara Julyana,
    Pudemos testar porque o equipamento já está aprovado, mas a empresa responsável ainda está aguardando receber a importação para iniciar a venda no Brasil.

    ResponderExcluir
  3. Prezado Mark,
    Escrevo para informar que a Caneta Safe-Inject, para aplicação de insulina sem agulhas, já está no Brasil e será lançada comercialmente agora no final de março.
    Obrigada.

    ResponderExcluir
  4. Olá, gostaria de saber se foi verificado o aparecimento de lesões nos locais de aplicação, e se é possível afirmar que seria vantajoso para aqueles que apresentam quadros de lipodistrofia ou lipohipertrofia por conta das multiplas aplicações com agulhas.

    ResponderExcluir
  5. Obrigado pela interessante pergunta Ana Paula!
    Há publicação de um estudo de caso, em um indivíduo do sexo feminino, que apresentava lipoatrofia, com perda importante do tecido adiposo nos locais de aplicação de insulina com seringa. Essa pessoa passou então a utilizar um equipamento Jet Injector para a aplicação e após 8 meses as regiões afetadas estava se regenerando e os locais de aplicação com o Jet Injector não apresentavam esse tipo de alteração tecidual.
    http://care.diabetesjournals.org/content/19/3/255

    ResponderExcluir
  6. Gostaria de saber de alguem que esperimentou o aplicador sem agulha para saber se é mesmo melhor que com agulha. Não fica dolorido? Vermelhidão? Ematomas?

    ResponderExcluir
  7. Pelo fato de o aplicador estar chegando agora no Brasil, ainda não temos relato de pessoas que usam há muito tempo. Porém, fazendo algumas aplicações teste com o mesmo, no meu caso, não senti dor nem durante, nem após a aplicação, e não tive qualquer alteração na pele, no local da aplicação.

    ResponderExcluir
  8. Olá. Eu vou no exterior agora para a Europa e gostaria de saber como adquirir este tipo de caneta no exeterior? É possível comprar nas farmácias. Eu pesquisei pela net e não achei fornecedores onde posso comprar.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Comer... Mas quando tomar a insulina?

Este artigo tem como objetivo responder uma questão que, junto à contagem de carboidratos, é cada dia mais frequente. Quando tomar a insulina ultra-rápida para os carboidratos que consumi ou consumirei? Muitas pessoas têm relatado um frequente descontrole glicêmico, resultando em Hemoglobina Glicada (A1C) alta, devido a terem hiperglicemia após a alimentação, ou mesmo por se esquecerem de tomar a insulina que deveria ter sido tomada para a refeição.
A primeira coisa que é importante saber é que essa elevação da glicemia pós-pandial (depois da alimentação) é prejudicial ao organismo, aumentando o risco de complicaçõescrônicas do diabetes.


Quanto ao momento de tomar a insulina, é importante lembrarmos que mesmo as insulinas ultra-rápidas (Lispro, Aspart e Glulisina) começam a agir entre 10 e 15 minutos após serem aplicadas. Por isso, se você já se alimentou e ainda não tomou sua insulina, sua glicemia irá subir. Os alimentos, em especial os ricos em carboidratos, começam a ser absorvid…

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Você deve estar se perguntando, "o que será que aconteceu com o suco de laranja? será que descobriram algum suco contaminado?" Não, não é esse o caso. Estamos falando do suco de laranja natural mesmo, não adoçado, feito na hora, ou comprado em caixinha. E o alerta é para todos que têm diabetes. Vejamos por quê.

O suco de laranja é bastante popular no Brasil. Pudera, somos exportadores de laranja e de suco de laranja. Por isso, é comum encontrar pessoas tomando suco de laranja na padaria, no bar, no restaurante, seja durante a refeição ou em seus intervalos. Além disso, todos apreciam o fato de a laranja ser uma fruta rica em vitaminas e minerais, como a vitamina C. 
Por outro lado, existe um mito em relação ao suco de laranja, assim como em relação aos outros sucos de fruta, como o suco de melancia e o de uva. "Se é natural, não tem com o que se preocupar". Porém, especialmente para quem tem diabetes, os sucos naturais podem ser vilões e atrapalhar muito o control…

Xultrophy: Insulina + GLP-1 (menos hipoglicemias, melhor A1C e perda de peso!)

Por Ronaldo J. P. Wieselberg
No último congresso da ADA (American Diabetes Association), neste ano, foi apresentado um trabalho que demonstrava os benefícios de um “novo” medicamento para o diabetes, chamado Xultophy. Novo, entre aspas, porque, na verdade, ele não é exatamente algo novo no mercado...
O Xultophy nada mais é do que uma mistura (em quantidades certas!) de insulina Degludeca (Tresiba) e da Liraglutida, um dos agonistas de GLP-1 (Victoza). Os três produtos em questão – Xultrophy, Tresiba e Victoza – são produzidos pela NovoNordisk. Até aí, nada demais – não fosse o fato de que o Xultophy “venceu” a Lantus (insulina glargina) durante o estudo, ou seja, exibiu mais benefícios para pessoas com diabetes tipo 2 (DM2).
Para entender essa “vitória”, vamos explicar rapidamente como são feitos os estudos de novos medicamentos.
Depois que o novo medicamento é testado em cobaias – principalmente ratos – e em pessoas saudáveis, para que haja segurança – ou seja, para que saibamos que …