Pular para o conteúdo principal

6 pacientes DM1 sem insulina por mais de 3 anos... estão curados?

O grupo da Unidade de Transplante de Medula Óssea do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto - USP tem, desde 2003, realizado procedimento denominado Transplante Autólogo de Células Tronco Hematopoéticas em Pacientes com DM1 Recém-Diagnosticado”. Tal procedimento tem aparecido na mídia  de forma recorrente no Brasil, assim como em outros países. As razões para isso são o desenvolvimento de uma nova metodologia e os resultados espetaculares atingidos. Entre eles, o que mais chama a atenção é a não necessidade de insulina por 40 a quase 80 meses (até o momento) após o procedimento, em pessoas que tiveram o diagnóstico de diabetes do tipo 1!





Entretanto, os coordenadores da pesquisa enfatizam que não se trata de cura, mas de uma terapia. Além disso, é importante saber que existe uma série de critérios para poder se submeter a esse tipo de procedimento e que, por se tratar de um procedimento com imunossupressão, tem riscos. Segundo os pesquisadores, mais importante do que a não necessidade de insulina nesses pacientes, é a preservação de parte das células betas (produtoras de insulina) do pâncreas. O total de pacientes que se submeteu ao procedimento é de 25 e, apesar de apenas 6 estarem sem necessitar aplicação de insulina até o momento, os demais necessitam de uma quantidade muito menor de insulina, sendo, em geral, suficiente 1 aplicação de insulina ultra-lenta por dia.


A importância de se preservar células beta é se conseguir um controle glicêmico melhor e mais estável e reduzir o risco de complicações crônicas. Mas conhecendo então esses ótimos resultados, vejamos abaixo quais os critérios de inclusão de um paciente na pesquisa, seguidos do detalhamento do procedimento:

  • Menos de 3 meses de diagnóstico
  • 12-35 anos de idade
  • Presença de anti-GAD (anticorpo mais comum em quem tem diabetes tipo 1)

  1. Coleta de células hematopoiéticas no sangue (após 2 dias de medicação que estimula a liberação dessas células-tronco)
  2. 5 dias de imunossupressão (acontece uma espécie de destruição do sistema imune, incluindo a eliminação dos anticorpos que levaram ao ataque das células do pâncreas)
  3. As células tronco hematopoiéticas coletadas são reinfundidas para que o sistema imune seja refeito

Portanto, as células-tronco em questão não produzem novas células do pâncreas, mas sim células do sistema imune, que é totalmente destruído durante o procedimento, para que seja refeito com a infusão das células-tronco do próprio indivíduo. Assim, as células beta do pâncreas que não haviam sido destruídas deixam de sofrer ataque do sistema imune antigo. Contudo, é possível que algumas pessoas voltem a necessitar aplicar insulina porque: 1) grande parte das células beta do pâncreas já haviam sido destruídas antes do procedimento; 2) ou porque o pâncreas voltou a ser atacado após o procedimento.

Veja o depoimento dessa jovem que passou pelo procedimento, publicado no site da SBD:

  • Isabela Julião, 17 anos, estudante, fez o transplante em 2006, após três semanas de diagnóstico do diabetes.

“Foi muito bom fazer o transplante porque tomei insulina menos de um mês. Me sinto até melhor do que antes. O tratamento foi um pouco doloroso, mas, tirando isso, tudo ótimo! Sou de Ilhabela (SP) e agora estou estudando em Campinas (SP). Fiquei quase três meses em tratamento, em Ribeirão Preto. De vez em quando, volto para fazer exames. Valeu a pena!” 

Se você acredita que está dentro do perfil e tem interesse em se submeter ao procedimento, um dos coordenadores do estudo deixa seu contato:  Dr. Eduardo Couri, e-mail: ce.couri@yahoo.com.br


Veja também: 

Comentários

  1. Fiquei muito feliz c/essa oportunidade de tratamento. Queria saber se ja existem pacientes mais jovens, meu filho de 4 anos foi diagnosticado recente e está passando pela chamada fase de lua de mel.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Comer... Mas quando tomar a insulina?

Este artigo tem como objetivo responder uma questão que, junto à contagem de carboidratos, é cada dia mais frequente. Quando tomar a insulina ultra-rápida para os carboidratos que consumi ou consumirei? Muitas pessoas têm relatado um frequente descontrole glicêmico, resultando em Hemoglobina Glicada (A1C) alta, devido a terem hiperglicemia após a alimentação, ou mesmo por se esquecerem de tomar a insulina que deveria ter sido tomada para a refeição.
A primeira coisa que é importante saber é que essa elevação da glicemia pós-pandial (depois da alimentação) é prejudicial ao organismo, aumentando o risco de complicaçõescrônicas do diabetes.


Quanto ao momento de tomar a insulina, é importante lembrarmos que mesmo as insulinas ultra-rápidas (Lispro, Aspart e Glulisina) começam a agir entre 10 e 15 minutos após serem aplicadas. Por isso, se você já se alimentou e ainda não tomou sua insulina, sua glicemia irá subir. Os alimentos, em especial os ricos em carboidratos, começam a ser absorvid…

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Você deve estar se perguntando, "o que será que aconteceu com o suco de laranja? será que descobriram algum suco contaminado?" Não, não é esse o caso. Estamos falando do suco de laranja natural mesmo, não adoçado, feito na hora, ou comprado em caixinha. E o alerta é para todos que têm diabetes. Vejamos por quê.

O suco de laranja é bastante popular no Brasil. Pudera, somos exportadores de laranja e de suco de laranja. Por isso, é comum encontrar pessoas tomando suco de laranja na padaria, no bar, no restaurante, seja durante a refeição ou em seus intervalos. Além disso, todos apreciam o fato de a laranja ser uma fruta rica em vitaminas e minerais, como a vitamina C. 
Por outro lado, existe um mito em relação ao suco de laranja, assim como em relação aos outros sucos de fruta, como o suco de melancia e o de uva. "Se é natural, não tem com o que se preocupar". Porém, especialmente para quem tem diabetes, os sucos naturais podem ser vilões e atrapalhar muito o control…

Xultrophy: Insulina + GLP-1 (menos hipoglicemias, melhor A1C e perda de peso!)

Por Ronaldo J. P. Wieselberg
No último congresso da ADA (American Diabetes Association), neste ano, foi apresentado um trabalho que demonstrava os benefícios de um “novo” medicamento para o diabetes, chamado Xultophy. Novo, entre aspas, porque, na verdade, ele não é exatamente algo novo no mercado...
O Xultophy nada mais é do que uma mistura (em quantidades certas!) de insulina Degludeca (Tresiba) e da Liraglutida, um dos agonistas de GLP-1 (Victoza). Os três produtos em questão – Xultrophy, Tresiba e Victoza – são produzidos pela NovoNordisk. Até aí, nada demais – não fosse o fato de que o Xultophy “venceu” a Lantus (insulina glargina) durante o estudo, ou seja, exibiu mais benefícios para pessoas com diabetes tipo 2 (DM2).
Para entender essa “vitória”, vamos explicar rapidamente como são feitos os estudos de novos medicamentos.
Depois que o novo medicamento é testado em cobaias – principalmente ratos – e em pessoas saudáveis, para que haja segurança – ou seja, para que saibamos que …