Pular para o conteúdo principal

Dieta Mediterrânea e Diabetes, Qual a Vantagem?

A dieta é uma ferramenta crucial para gerir seu diabetes. O plano de refeição certo pode ajudar a melhorar a sua glicemia, pressão arterial, colesterol e até, possivelmente, o seu peso.

A dieta mediterrânea é uma das melhores dietas para prevenir e controlar o diabetes. Ele segue os padrões tradicionais alimentares daqueles que vivem em países banhados pelo Mar Mediterrâneo. Alguns argumentam que os espanhóis comem muito diferente dos franceses, que também comem de forma diferente dos gregos e italianos. Mas parte de suas dietas pode realmente ser bastante similar. Então, o que a diferencia de outras dietas?

http://alimentarsaude.blogspot.com.br/p/colesterol.html

Essas dietas (apesar de apresentarem algumas diferenças, são todas consideradas dieta mediterrânea) consistem principalmente de vegetais, leguminosas (feijões e ervilhas), frutas, nozes e cereais integrais. Nesses países as gorduras altamente saturadas (gordura de origem animal, por exemplo) são substituídas por outras mais saudáveis, como a manteiga pelo azeite de oliva. Em relação aos temperos, ervas variadas substituem o excesso de sal. No lugar de carne bovina e de aves, como a principal fonte de proteína animal, eles consomem principalmente o peixe e um pouco de produtos lácteos. Grande parte do seu leite é consumido sob a forma de produtos como queijos e iogurte. E há tipicamente consumo moderado de vinho (principalmente com as refeições).

Portanto, este não é um plano rigoroso de dieta, é, na verdade, um hábito saudável comer. No entanto, tenha em mente que ainda é importante fazer contagem de carboidratos para manter seus níveis de glicose no sangue sob controle e que a atividade física (no caso deles especialmente a caminhada) também faz parte do estilo de vida mediterrâneo e saudável!

http://blog.joslin.org/wp-content/uploads/2013/03/oil.jpg

Pesquisas feitas nos últimos 10 anos desvendaram que dietas pobres em carne e ricas em gorduras saudáveis ​​como o azeite de oliva foram eficazes para a perda de peso e a redução dos níveis de glicose no sangue em pessoas com diabetes.

Alguns estudos associam também a dieta mediterrânea à redução dos riscos de alguns tipos de câncer, doença de Alzheimer, doença de Parkinson e morte por ataque cardíaco.
Aqui estão cinco dicas que podem ajudar você a começar:

  • Inclua mais frutas e vegetais frescos em sua dieta.

  • Use ervas e especiarias quando tempera sua comida. Isso vai ajudá-lo a cortar na adição de sal, açúcar e gordura ao cozinhar e você vai se surpreender com o quão saboroso o alimento vai ficar.

  • Use azeite de oliva para cozinhar em vez de manteiga. É uma boa fonte de gorduras monoinsaturadas, que são um tipo de gordura saudável e pode ajudar a reduzir níveis de colesterol.

  • Consuma nozes e castanhas durante o dia. Elas são uma boa fonte de gorduras saudáveis ​​insaturadas, que são parte importante do plano de refeição mediterrânea.

  • Coma uma porção de peixe pelo menos duas vezes por semana (lembre-se, o peixe é a principal fonte de proteína animal incluída no plano da dieta mediterrânea).

  • Tente comer massa de grãos inteiros (integrais), e lembre-se de contar os carboidratos!
http://blog.joslin.org/wp-content/uploads/2013/03/med-food.jpg


Pessoas dentro da cultura mediterrânica também se mantem muito ativas durante o dia, caminhando até o trabalho sempre que podem. É importante ter em mente que ser ativo é essencial para o sucesso na dieta mediterrânea. Todo tipo de atividade física conta! Vá de escadas em vez de elevador, caminhe para o trabalho em vez de dirigir, ou limpe a casa.

Muitos pesquisadores acreditam que a dieta mediterrânea podem ter mais sucesso do que outras dietas para pessoas com diabetes, porque é mais fácil de ser mantida do que as dietas restritivas com baixo consumo de carboidrato ou ricas em proteína.


Leia tambem:

5 MITOS ALIMENTARES DO DIABETES


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comer... Mas quando tomar a insulina?

Este artigo tem como objetivo responder uma questão que, junto à contagem de carboidratos, é cada dia mais frequente. Quando tomar a insulina ultra-rápida para os carboidratos que consumi ou consumirei? Muitas pessoas têm relatado um frequente descontrole glicêmico, resultando em Hemoglobina Glicada (A1C) alta, devido a terem hiperglicemia após a alimentação, ou mesmo por se esquecerem de tomar a insulina que deveria ter sido tomada para a refeição.
A primeira coisa que é importante saber é que essa elevação da glicemia pós-pandial (depois da alimentação) é prejudicial ao organismo, aumentando o risco de complicaçõescrônicas do diabetes.


Quanto ao momento de tomar a insulina, é importante lembrarmos que mesmo as insulinas ultra-rápidas (Lispro, Aspart e Glulisina) começam a agir entre 10 e 15 minutos após serem aplicadas. Por isso, se você já se alimentou e ainda não tomou sua insulina, sua glicemia irá subir. Os alimentos, em especial os ricos em carboidratos, começam a ser absorvid…

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Você deve estar se perguntando, "o que será que aconteceu com o suco de laranja? será que descobriram algum suco contaminado?" Não, não é esse o caso. Estamos falando do suco de laranja natural mesmo, não adoçado, feito na hora, ou comprado em caixinha. E o alerta é para todos que têm diabetes. Vejamos por quê.

O suco de laranja é bastante popular no Brasil. Pudera, somos exportadores de laranja e de suco de laranja. Por isso, é comum encontrar pessoas tomando suco de laranja na padaria, no bar, no restaurante, seja durante a refeição ou em seus intervalos. Além disso, todos apreciam o fato de a laranja ser uma fruta rica em vitaminas e minerais, como a vitamina C. 
Por outro lado, existe um mito em relação ao suco de laranja, assim como em relação aos outros sucos de fruta, como o suco de melancia e o de uva. "Se é natural, não tem com o que se preocupar". Porém, especialmente para quem tem diabetes, os sucos naturais podem ser vilões e atrapalhar muito o control…

Xultrophy: Insulina + GLP-1 (menos hipoglicemias, melhor A1C e perda de peso!)

Por Ronaldo J. P. Wieselberg
No último congresso da ADA (American Diabetes Association), neste ano, foi apresentado um trabalho que demonstrava os benefícios de um “novo” medicamento para o diabetes, chamado Xultophy. Novo, entre aspas, porque, na verdade, ele não é exatamente algo novo no mercado...
O Xultophy nada mais é do que uma mistura (em quantidades certas!) de insulina Degludeca (Tresiba) e da Liraglutida, um dos agonistas de GLP-1 (Victoza). Os três produtos em questão – Xultrophy, Tresiba e Victoza – são produzidos pela NovoNordisk. Até aí, nada demais – não fosse o fato de que o Xultophy “venceu” a Lantus (insulina glargina) durante o estudo, ou seja, exibiu mais benefícios para pessoas com diabetes tipo 2 (DM2).
Para entender essa “vitória”, vamos explicar rapidamente como são feitos os estudos de novos medicamentos.
Depois que o novo medicamento é testado em cobaias – principalmente ratos – e em pessoas saudáveis, para que haja segurança – ou seja, para que saibamos que …