Pular para o conteúdo principal

Novo SENSOR de GLICOSE é mais preciso e confortável!

Novo sensor de glicose da Medtronic, Enlite®, recém chegado ao Brasil, foi testado quanto à acurácia e aceitabilidade. Abaixo, a nutricionista Deise Santiago apresenta os principais resultados da pesquisa.













Conforme consta no artigo, este sensor para monitoramento contínuo da glicose (CGM) foi desenvolvido com o objetivo de aumentar o conforto e a precisão, em comparação com os anteriores. O Enlite® é mais fino e mais curto (8,5 mm, com uma agulha de introdução de 10,5 mm) que o anterior, Sof-Sensor®. O sensor e a sua agulha de introdução entram na pele a um ângulo de 90°, e a agulha de introdução é automaticamente recolhida numa caixa de proteção após a inserção, por conveniência e segurança.

O estudo foi realizado nos Estados Unidos, com 90 pessoas, de 18 a 75 anos, com diabetes tipo 1 ou tipo 2. Esses indivíduos utilizaram o novo sensor durante 6 dias, sendo dois no abdômen, dois na nádega, ou um em cada área. Os sensores foram calibrados de 2 a 4 vezes ao dia, a fim de avaliar a precisão dos resultados obtidos.

A durabilidade dos sensores foi de mais de 5 dias em 82,3% dos usados na abdômen e 89,6% daqueles na nádega. Apesar de não ser o foco do estudo, não houve diferença de acurácia entre os sensores usados nas duas diferentes regiões (P=0.28).  



Quanto à precisão, a diferença média relativa absoluta dos valores (ARD) obtidos pelo sensor em comparação com os valores de referência foram: 13,6% no abdômen e 15,5% na nádega. Mesmo com a calibração menos frequente (a cada 12 horas), os resultados foram muito próximos aos obtidos com calibrações 3 a 4 vezes ao dia (14,7% de ARD, no caso do abdômen). Talvez um dos achados mais interessantes seja o de que esse sensor pode ser calibrado mesmo quando a glicose não está estável (em períodos de variação), sem que afete a precisão das leituras (o que não era indicado em sensores mais antigos). Com sensores no abdômen, 79,5% e 94,1% de eventos de hipo e hiperglicemia, respectivamente, foram detectados corretamente; e 81,9% e 94,9% dos alertas de hipo e hiperglicemia, respectivamente, foram confirmados. As taxas de falha para os sensores no abdômen e nas nádegas foram de 19,7% e 13,9%.

Os pesquisadores concluem que o sensor Enlite®, quando colocado no abdômen, fornece dados precisos ao longo de 6 dias de uso. Sua precisão é mantida em diferentes frequências de calibração, concentrações e taxas de variação de glicose. Os participantes relataram que foi confortável e fácil usá-lo

Fonte: Bailey Timothy S., et al. Accuracy and Acceptability of the 6-Day Enlite Continuous Subcutaneous Glucose Sensor. Diabetes Technology & Therapeutics. May 2014, 16(5): 277-283.

Deise L. Santiago 
Nutricionista 
Atendimento Home Care
CRN-3 40982

(11) 9 9305 9678
facebook: nutricionistadeise

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Você deve estar se perguntando, "o que será que aconteceu com o suco de laranja? será que descobriram algum suco contaminado?" Não, não é esse o caso. Estamos falando do suco de laranja natural mesmo, não adoçado, feito na hora, ou comprado em caixinha. E o alerta é para todos que têm diabetes. Vejamos por quê.

O suco de laranja é bastante popular no Brasil. Pudera, somos exportadores de laranja e de suco de laranja. Por isso, é comum encontrar pessoas tomando suco de laranja na padaria, no bar, no restaurante, seja durante a refeição ou em seus intervalos. Além disso, todos apreciam o fato de a laranja ser uma fruta rica em vitaminas e minerais, como a vitamina C. 
Por outro lado, existe um mito em relação ao suco de laranja, assim como em relação aos outros sucos de fruta, como o suco de melancia e o de uva. "Se é natural, não tem com o que se preocupar". Porém, especialmente para quem tem diabetes, os sucos naturais podem ser vilões e atrapalhar muito o control…

Comer... Mas quando tomar a insulina?

Este artigo tem como objetivo responder uma questão que, junto à contagem de carboidratos, é cada dia mais frequente. Quando tomar a insulina ultra-rápida para os carboidratos que consumi ou consumirei? Muitas pessoas têm relatado um frequente descontrole glicêmico, resultando em Hemoglobina Glicada (A1C) alta, devido a terem hiperglicemia após a alimentação, ou mesmo por se esquecerem de tomar a insulina que deveria ter sido tomada para a refeição.
A primeira coisa que é importante saber é que essa elevação da glicemia pós-pandial (depois da alimentação) é prejudicial ao organismo, aumentando o risco de complicaçõescrônicas do diabetes.


Quanto ao momento de tomar a insulina, é importante lembrarmos que mesmo as insulinas ultra-rápidas (Lispro, Aspart e Glulisina) começam a agir entre 10 e 15 minutos após serem aplicadas. Por isso, se você já se alimentou e ainda não tomou sua insulina, sua glicemia irá subir. Os alimentos, em especial os ricos em carboidratos, começam a ser absorvid…

Xultrophy: Insulina + GLP-1 (menos hipoglicemias, melhor A1C e perda de peso!)

Por Ronaldo J. P. Wieselberg
No último congresso da ADA (American Diabetes Association), neste ano, foi apresentado um trabalho que demonstrava os benefícios de um “novo” medicamento para o diabetes, chamado Xultophy. Novo, entre aspas, porque, na verdade, ele não é exatamente algo novo no mercado...
O Xultophy nada mais é do que uma mistura (em quantidades certas!) de insulina Degludeca (Tresiba) e da Liraglutida, um dos agonistas de GLP-1 (Victoza). Os três produtos em questão – Xultrophy, Tresiba e Victoza – são produzidos pela NovoNordisk. Até aí, nada demais – não fosse o fato de que o Xultophy “venceu” a Lantus (insulina glargina) durante o estudo, ou seja, exibiu mais benefícios para pessoas com diabetes tipo 2 (DM2).
Para entender essa “vitória”, vamos explicar rapidamente como são feitos os estudos de novos medicamentos.
Depois que o novo medicamento é testado em cobaias – principalmente ratos – e em pessoas saudáveis, para que haja segurança – ou seja, para que saibamos que …