Pular para o conteúdo principal

DORMIR, ESTRATÉGIA PARA MELHORAR A GLICEMIA E PREVENIR COMPLICAÇÕES

A relação entre o diabetes tipo 2 e distúrbios do sono  já está bem estabelecida, como é o caso da apneia obstrutiva (paradas respiratórias devido à interrupção física na passagem de ar para os pulmões). Além disso, a qualidade do sono deteriorada e a redução crônica na duração do sono noturno têm sido apontadas como fatores de risco para o desenvolvimento de obesidade, hipertensão e diabetes tipo 2. Os motivos parecem muitos e entre eles estão: maior oportunidade para se alimentar excessivamente enquanto acordado, alteração no perfil e nos níveis de hormônios responsáveis pelo apetite e pela saciedade (destacam-se a grelina e a leptina), e ativação de mecanismos de estresse, como o sistema nervoso simpático e a liberação de hormônios hiperglicemiantes em quantidade e horário inesperados.

www.sbsono.com.br/semana_do_sono

Apesar de poucos grupos de pesquisa terem se debruçado sobre a questão do sono em diabetes tipo 1 (DM1), os achados dos últimos anos chamam a atenção. Veremos, a seguir, os resultados publicados por um grupo francês, em 2013, na revista Diabetes Care (v.36, n.10).

A pesquisa foi feita com 79 adultos com diabetes tipo 1. Foram usados questionários para avaliar características do sono e da vida com diabetes, mas o destaque foi o uso de actímetros (acelerômetros de punho, que servem para diferenciar quando se está em atividade ou em repouso) por 3 dias consecutivos e de monitores de pressão arterial (MAPA) por 24h.

Com base nos resultados, os pesquisadores verificaram que os indivíduos que dormiam menos (média de ≤ 6,5 horas) apresentavam hemoglobina glicada (HbA1c ou A1C) significativamente mais elevada, em relação aos que tinham maior duração do sono (> 6 horas) [em porcentagem: 8,5±1,2 vs. 7,7±1,0, respectivamente]. Além disso, mais indivíduos que dormiam menos tinham pressão arterial de padrão nondipping (ausência da esperada redução da pressão arterial em 10% ou mais, durante a noite, em relação à pressão durante o dia). Estes indivíduos apresentaram, ainda, maior tendência a distúrbios do sono.

Conforme afirmam os autores, tanto a elevação da HbA1c quanto o padrão nondipping da pressão arterial são fatores que favorecem o desenvolvimento de complicações nessa população, com destaque para a retinopatia e a nefropatia. Com isso, faz-se importante considerar a duração do sono como um elemento fundamental para a manutenção de um controle glicêmico adequado e a prevenção de complicações crônicas.

Algumas limitações do estudo dizem respeito ao número reduzido de dias de acompanhamento de cada indivíduo, e o fato de não se saber ao certo quais deles estavam realmente privados de sono, visto que para uma minoria 6,5 horas de sono pode ser suficiente. De qualquer forma, isso não desqualifica os resultados, que contribuem como mais evidências para entendermos essa associação da qual há algum tempo já se desconfia, entre DM1 e sono. Em estudos futuros, os autores poderiam testar se ao aumentar a duração de sono (ou a oportunidade para tanto) dos indivíduos acontece redução da HbA1c e alteração do padrão pressórico, além de procurar os mecanismos que orquestram tal associação.

Fonte:

Para mais informações sobre o tema:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Você deve estar se perguntando, "o que será que aconteceu com o suco de laranja? será que descobriram algum suco contaminado?" Não, não é esse o caso. Estamos falando do suco de laranja natural mesmo, não adoçado, feito na hora, ou comprado em caixinha. E o alerta é para todos que têm diabetes. Vejamos por quê.

O suco de laranja é bastante popular no Brasil. Pudera, somos exportadores de laranja e de suco de laranja. Por isso, é comum encontrar pessoas tomando suco de laranja na padaria, no bar, no restaurante, seja durante a refeição ou em seus intervalos. Além disso, todos apreciam o fato de a laranja ser uma fruta rica em vitaminas e minerais, como a vitamina C. 
Por outro lado, existe um mito em relação ao suco de laranja, assim como em relação aos outros sucos de fruta, como o suco de melancia e o de uva. "Se é natural, não tem com o que se preocupar". Porém, especialmente para quem tem diabetes, os sucos naturais podem ser vilões e atrapalhar muito o control…

Comer... Mas quando tomar a insulina?

Este artigo tem como objetivo responder uma questão que, junto à contagem de carboidratos, é cada dia mais frequente. Quando tomar a insulina ultra-rápida para os carboidratos que consumi ou consumirei? Muitas pessoas têm relatado um frequente descontrole glicêmico, resultando em Hemoglobina Glicada (A1C) alta, devido a terem hiperglicemia após a alimentação, ou mesmo por se esquecerem de tomar a insulina que deveria ter sido tomada para a refeição.
A primeira coisa que é importante saber é que essa elevação da glicemia pós-pandial (depois da alimentação) é prejudicial ao organismo, aumentando o risco de complicaçõescrônicas do diabetes.


Quanto ao momento de tomar a insulina, é importante lembrarmos que mesmo as insulinas ultra-rápidas (Lispro, Aspart e Glulisina) começam a agir entre 10 e 15 minutos após serem aplicadas. Por isso, se você já se alimentou e ainda não tomou sua insulina, sua glicemia irá subir. Os alimentos, em especial os ricos em carboidratos, começam a ser absorvid…

Xultrophy: Insulina + GLP-1 (menos hipoglicemias, melhor A1C e perda de peso!)

Por Ronaldo J. P. Wieselberg
No último congresso da ADA (American Diabetes Association), neste ano, foi apresentado um trabalho que demonstrava os benefícios de um “novo” medicamento para o diabetes, chamado Xultophy. Novo, entre aspas, porque, na verdade, ele não é exatamente algo novo no mercado...
O Xultophy nada mais é do que uma mistura (em quantidades certas!) de insulina Degludeca (Tresiba) e da Liraglutida, um dos agonistas de GLP-1 (Victoza). Os três produtos em questão – Xultrophy, Tresiba e Victoza – são produzidos pela NovoNordisk. Até aí, nada demais – não fosse o fato de que o Xultophy “venceu” a Lantus (insulina glargina) durante o estudo, ou seja, exibiu mais benefícios para pessoas com diabetes tipo 2 (DM2).
Para entender essa “vitória”, vamos explicar rapidamente como são feitos os estudos de novos medicamentos.
Depois que o novo medicamento é testado em cobaias – principalmente ratos – e em pessoas saudáveis, para que haja segurança – ou seja, para que saibamos que …