Pular para o conteúdo principal

Alimentação, uma questão que ainda levanta dúvidas e pode fazer a diferença

Não há dúvidas de que nas últimas décadas a compreensão sobre os alimentos e a forma de consumi-los evoluiu espantosamente. A disseminação da técnica de contagem de carboidratos foi uma mudança na forma de se pensar a alimentação para os profissionais de saúde e pessoas com diabetes. Pode até ser que contar carboidrato não significou passar a comer tudo, quanto e quando quiser. Mas, sem dúvidas, possibilitou uma liberdade de escolha, sem igual. Da proibição médica de antigamente, passamos à era do saber adequar a insulina e escolher os melhores momentos para consumir os alimentos que desejar. Sem esquecer, é claro, que alimentação saudável nunca deixa de ser a melhor opção. Opções variadas, ricas em frutas, legumes e verduras. E é exatamente sobre isso que discutiremos hoje.


No Congresso da Associação Americana de Diabetes (ADA) deste ano, uma das palestras mais importantes foi dada por uma pesquisadora, premiada por seus trabalhos, que discutiu o impacto da alimentação sobre a saúde da população. E, como comenta abaixo o Dr. Freddy G. Eliaschewitz, aquela velha desconfiança, de que alimentos industrializados, ricos em aditivos, continua se mostrando um tanto realista.


Interessante observar nessa entrevista que o Dr. Freddy menciona aspectos muito importantes e preocupantes para todos e, em especial, para quem tem diabetes. Como se sabe, a obesidade é um dos mais importantes fatores que levam à resistência à insulina, podendo piorar o controle glicêmico mesmo de quem tem diabetes tipo 1. Além disso, fala sobre a produção de radicais livres no organismos, devido a essas substâncias, aditivos, adicionadas aos produtos industrializados. Como sabemos, os radicais livres podem facilitar o desenvolvimento de complicações crônicas do diabetes.

Assim, fica claro que precisamos continuar investindo em alimentos mais naturais e saudáveis. E a ciência está do nossa lado, apontando alimentos que podem ser prejudiciais (aditivos, excesso de gordura saturada, gordura trans, etc.), e alimentos que podem ter efeito benéfico (peixes de água fria, frutas, verduras e legumes, nozes e castanhas, etc.). Vamos então aproveitar esse conhecimento, manter-nos saudáveis e prevenir ou postergar o desenvolvimento de complicações.

Leia ainda:
Comer... Mas quando tomar a insulina?

Será que você se aplica a quantidade certa de insulina?


Contagem de Carboidratos, um opção inteligente para quem usa bomba de insulina

Alimentação vegetariana, benéfica ou pergiosa?

Saiba mais sobre CONTAGEM DE CARBOIDRATOS

Alimentação saudável e saborosa!

5 MITOS ALIMENTARES DO DIABETES

DEZ PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Você deve estar se perguntando, "o que será que aconteceu com o suco de laranja? será que descobriram algum suco contaminado?" Não, não é esse o caso. Estamos falando do suco de laranja natural mesmo, não adoçado, feito na hora, ou comprado em caixinha. E o alerta é para todos que têm diabetes. Vejamos por quê.

O suco de laranja é bastante popular no Brasil. Pudera, somos exportadores de laranja e de suco de laranja. Por isso, é comum encontrar pessoas tomando suco de laranja na padaria, no bar, no restaurante, seja durante a refeição ou em seus intervalos. Além disso, todos apreciam o fato de a laranja ser uma fruta rica em vitaminas e minerais, como a vitamina C. 
Por outro lado, existe um mito em relação ao suco de laranja, assim como em relação aos outros sucos de fruta, como o suco de melancia e o de uva. "Se é natural, não tem com o que se preocupar". Porém, especialmente para quem tem diabetes, os sucos naturais podem ser vilões e atrapalhar muito o control…

Comer... Mas quando tomar a insulina?

Este artigo tem como objetivo responder uma questão que, junto à contagem de carboidratos, é cada dia mais frequente. Quando tomar a insulina ultra-rápida para os carboidratos que consumi ou consumirei? Muitas pessoas têm relatado um frequente descontrole glicêmico, resultando em Hemoglobina Glicada (A1C) alta, devido a terem hiperglicemia após a alimentação, ou mesmo por se esquecerem de tomar a insulina que deveria ter sido tomada para a refeição.
A primeira coisa que é importante saber é que essa elevação da glicemia pós-pandial (depois da alimentação) é prejudicial ao organismo, aumentando o risco de complicaçõescrônicas do diabetes.


Quanto ao momento de tomar a insulina, é importante lembrarmos que mesmo as insulinas ultra-rápidas (Lispro, Aspart e Glulisina) começam a agir entre 10 e 15 minutos após serem aplicadas. Por isso, se você já se alimentou e ainda não tomou sua insulina, sua glicemia irá subir. Os alimentos, em especial os ricos em carboidratos, começam a ser absorvid…

Xultrophy: Insulina + GLP-1 (menos hipoglicemias, melhor A1C e perda de peso!)

Por Ronaldo J. P. Wieselberg
No último congresso da ADA (American Diabetes Association), neste ano, foi apresentado um trabalho que demonstrava os benefícios de um “novo” medicamento para o diabetes, chamado Xultophy. Novo, entre aspas, porque, na verdade, ele não é exatamente algo novo no mercado...
O Xultophy nada mais é do que uma mistura (em quantidades certas!) de insulina Degludeca (Tresiba) e da Liraglutida, um dos agonistas de GLP-1 (Victoza). Os três produtos em questão – Xultrophy, Tresiba e Victoza – são produzidos pela NovoNordisk. Até aí, nada demais – não fosse o fato de que o Xultophy “venceu” a Lantus (insulina glargina) durante o estudo, ou seja, exibiu mais benefícios para pessoas com diabetes tipo 2 (DM2).
Para entender essa “vitória”, vamos explicar rapidamente como são feitos os estudos de novos medicamentos.
Depois que o novo medicamento é testado em cobaias – principalmente ratos – e em pessoas saudáveis, para que haja segurança – ou seja, para que saibamos que …