Pular para o conteúdo principal

Quem tem diabetes deve receber habilitação para dirigir como as demais pessoas?

Talvez alguns nunca tenham parado para pensar a respeito, mas autoridades tanto médicas quanto de governos têm discutido esse assunto em diversos países. Na internet há uma série de filmagens mostrando os riscos de motoristas dirigindo com hipoglicemia. Abaixo há um exemplo.


Em janeiro de 2012 a American Diabetes Association publicou orientações a esse respeito. Alguns trechos dessas orientações foram traduzidos e adaptados abaixo.

Tem havido um debate considerável se o diabetes pode ser um fator relevante na determinação da capacidade de motorista e elegibilidade para uma licença.

Às vezes as pessoas com interesse na segurança rodoviária associam o diabetes a com uma condução insegura de veículos, quando na verdade a maioria das pessoas com diabetes dirigem com segurança, sem criar qualquer risco significativo de lesão para si ou para outrem. Quando surgem perguntas legítimas sobre a aptidão física de uma pessoa com diabetes para a direçao, uma avaliação individual, com ênfase particular na capacidade demonstrada para detectar e tratar adequadamente potencial hipoglicemia, é necessária a fim de determinar as restrições apropriadas. O diagnóstico de diabetes não é suficiente para fazer qualquer juízo sobre a capacidade de condutor do individuo.


Na maioria dos estados americanos o condutor em potencial é questionado se tem diabetes. Caso a resposta seja positiva, é encaminhando para avaliações médica específica antes de a licença ser emitida.

Hipoglicemia, indicando uma diminuição da capacidade de dirigir, retinopatia ou catarata, prejudicando a visão necessária para operar um veículo, e neuropatia, que afeta a capacidade de sentir os pedais, podem ter impacto sobre a segurança para a condução. Contudo, a incidência dessas condições não é suficientemente extensa para justificar restrição de licença para todos os condutores com diabetes. Acidentes de condução relacionados a diabetes são relativamente raros para a maioria dos motoristas com diabetes e ocorrem em uma taxa mais baixa do que acidentes envolvendo pessoas com muitas outras condições, e que são toleradas pela sociedade.

No entanto, assim como existem alguns pacientes com condições que aumentam o risco de incorrer em acidentes de trânsito, tais como doença cardíaca coronariana instável, apnéia obstrutiva do sono, epilepsia, doença de Parkinson, ou abuso de álcool e outras substâncias, há também alguns motoristas com diabetes que têm um maior risco de se envolver em acidentes. Os desafios são para identificar indivíduos de alto risco e desenvolver medidas para os ajudar a reduzir o risco de acidentes na condução de veículos.



As recomendações da ADA não são diferentes das que fazemos regularmente no Blog e no Livro "Tenho diabetes tipo 1, e agora?". 1) sempre levar um medidor de glicose e lanche apropriado, incluindo fonte de carboidrato (açúcar) simples (como suco, refrigerante não diet, sachê de glicose, pastilha de glicose, balas, etc.) no veículo; 2) nunca começar a dirigir com a glicemia baixa (mesmo que entre 70 e 90 mg/dl), sem consumo de carboidrato (lanche) profilático, para evitar uma queda da glicose no sangue durante a condução; 3) parar o veículo em caso de qualquer sintoma de hipoglicemia, medir e corrigir a glicemia; e 4) não retomar a condução até a sua glicose no sangue e cognição se recuperem. 

Em resumo, as pessoas com diabetes devem ser avaliadas de forma individual, tendo em conta a história médica de cada indivíduo, bem como os riscos potenciais relacionados à condução.


Leia também:

Comentários

  1. Você sabe dizer se quem tem diabetes tem algum desconto na compra de um carro?

    Rodrigo.

    ResponderExcluir
  2. Prezado Rodrigo,
    Nunca alguém nos relatou ter recebido desconto na compra de carro por ter diabetes.

    ResponderExcluir
  3. gostaria de saber se a empresa pode me mandar em bora, pois descobrir que tenho diabetes tem um mês e estou fazendo tratamento com o plano da empresa pois ainda não consegui controlar a diabetes, tomo insulina todos os dias, e na hora do almoço tenho que tomo uma rápida.

    ResponderExcluir
  4. Prezada Luana,
    Ter diabetes não é razão que justifique dispensa pela empresa em que você trabalha. Contudo, qualquer funcionário pode ser dispensado por uma série de razões e mesmo sem razão. É importante que você sempre tenha acompanhamento de uma equipe de saúde, incluindo médico endocrinologista, e manter um bom controle de seu diabetes.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Você deve estar se perguntando, "o que será que aconteceu com o suco de laranja? será que descobriram algum suco contaminado?" Não, não é esse o caso. Estamos falando do suco de laranja natural mesmo, não adoçado, feito na hora, ou comprado em caixinha. E o alerta é para todos que têm diabetes. Vejamos por quê.

O suco de laranja é bastante popular no Brasil. Pudera, somos exportadores de laranja e de suco de laranja. Por isso, é comum encontrar pessoas tomando suco de laranja na padaria, no bar, no restaurante, seja durante a refeição ou em seus intervalos. Além disso, todos apreciam o fato de a laranja ser uma fruta rica em vitaminas e minerais, como a vitamina C. 
Por outro lado, existe um mito em relação ao suco de laranja, assim como em relação aos outros sucos de fruta, como o suco de melancia e o de uva. "Se é natural, não tem com o que se preocupar". Porém, especialmente para quem tem diabetes, os sucos naturais podem ser vilões e atrapalhar muito o control…

Comer... Mas quando tomar a insulina?

Este artigo tem como objetivo responder uma questão que, junto à contagem de carboidratos, é cada dia mais frequente. Quando tomar a insulina ultra-rápida para os carboidratos que consumi ou consumirei? Muitas pessoas têm relatado um frequente descontrole glicêmico, resultando em Hemoglobina Glicada (A1C) alta, devido a terem hiperglicemia após a alimentação, ou mesmo por se esquecerem de tomar a insulina que deveria ter sido tomada para a refeição.
A primeira coisa que é importante saber é que essa elevação da glicemia pós-pandial (depois da alimentação) é prejudicial ao organismo, aumentando o risco de complicaçõescrônicas do diabetes.


Quanto ao momento de tomar a insulina, é importante lembrarmos que mesmo as insulinas ultra-rápidas (Lispro, Aspart e Glulisina) começam a agir entre 10 e 15 minutos após serem aplicadas. Por isso, se você já se alimentou e ainda não tomou sua insulina, sua glicemia irá subir. Os alimentos, em especial os ricos em carboidratos, começam a ser absorvid…

Xultrophy: Insulina + GLP-1 (menos hipoglicemias, melhor A1C e perda de peso!)

Por Ronaldo J. P. Wieselberg
No último congresso da ADA (American Diabetes Association), neste ano, foi apresentado um trabalho que demonstrava os benefícios de um “novo” medicamento para o diabetes, chamado Xultophy. Novo, entre aspas, porque, na verdade, ele não é exatamente algo novo no mercado...
O Xultophy nada mais é do que uma mistura (em quantidades certas!) de insulina Degludeca (Tresiba) e da Liraglutida, um dos agonistas de GLP-1 (Victoza). Os três produtos em questão – Xultrophy, Tresiba e Victoza – são produzidos pela NovoNordisk. Até aí, nada demais – não fosse o fato de que o Xultophy “venceu” a Lantus (insulina glargina) durante o estudo, ou seja, exibiu mais benefícios para pessoas com diabetes tipo 2 (DM2).
Para entender essa “vitória”, vamos explicar rapidamente como são feitos os estudos de novos medicamentos.
Depois que o novo medicamento é testado em cobaias – principalmente ratos – e em pessoas saudáveis, para que haja segurança – ou seja, para que saibamos que …