Pular para o conteúdo principal

Diabético, uma palavra a ser eliminada!


Uma recente pesquisa sobre diabetes tipo 1 no Brasil (Estudo multicêntrico de diabetes tipo 1 no Brasil) têm sido muito comentada, já que conseguiu levantar dados desconhecidos anteriormente. Estes de grande importância para se conhecer sobre as pessoas acometidas por essa disfunção e poder planejar ações de saúde pública que melhorem sua condição de vida e tratamento.

No artigo da próxima semana serão apresentados alguns dos principais dados levantados por essa pesquisa, publicados na Revista Diabetes, da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), em julho de 2012. Neste, focaremos em um resultado muito interessante: 40,6% das pessoas com diabetes tipo 1 não gostam de serem chamadas de diabéticas(os).  Além disso, 25% escondem a doença e 54,1% consideram o diabetes a pior coisa que aconteceu em suas vidas.

Portanto, a questão não está apenas no fato de muitos terem medos relacionados ao diabetes, esconderem a disfunção, ou considerarem o diabetes a pior coisa que aconteceu em suas vidas. A pesquisa aponta para algo que já era de se esperar, que as pessoas não gostam de ser identificadas com o adjetivo relativo à disfunção orgânica que venham a ter. O que fato é que usar o adjetivo relativo a uma disfunção como substantivo para identificar pessoas, não é agradável a ninguém. Imagine se no lugar de usarmos os nomes de batismo passássemos a usar os nomes das disfunções ou doenças infecciosas para identificar as pessoas, alguns seriam os “asmáticos”, outros os “gripados”, os “epiléticos”, os “cancerosos”, os “tetânicos”, os "tuberculosos", os "aidéticos", assim como os “diabéticos”.

A questão, que pode parecer sem importância para alguns, não só desagrada grande parte das pessoas que têm diabetes, como é considerada uma questão de relevância por revistas científicas internacionais. Algumas das revistas científicas mais importantes do mundo, na área de diabetes, incluindo a da Federação Internacional de Diabetes (IDF), Diabetes Research and Clinical Practice (DRCP), a americana Diabetes Care e a européia Diabetologia, não permitem que a palavra diabéticos(as) (diabetics) seja usada como substantivo em suas publicações. A DRCP deixa claro que o termo diabético deve ser substituido por "pessoa com diabetes", por exemplo.

Desse modo, uma reflexão a esse respeito é bem-vinda. Tratar as pessoas com respeito e dignidade também inclui se referir a elas pelo nome e utilizar adjetivos mais elogiosos do que o nome de uma disfunção. E ao ter que se referir a um grupo de pessoas com uma determinada disfunção ou doença infecciosa, substituir o adjetivo por “com ou tem” a disfunção. Portanto, no lugar de “diabético(a)”, utilizar “pessoa(a) com diabetes”, ou “tem diabetes”. Certamente os mais de 40% que admitem se incomodar de serem referidos como diabéticos (como se o diabetes fosse a coisa mais importante que os define), assim como parte dos 25% que escondem o fato de terem diabetes se sentirão mais a vontade e respeitados tendo outros de seus predicados mais valorizados que o fato de terem diabetes e seu nome de batismo utilizado.

Sugestões de substituição:
Você é diabético?   por   Você tem diabetes?
Ele é diabético   por   Ele tem diabetes.
Diabéticos.   por   Pessoas com diabetes.

Leia artigo a esse respeito em inglêshttp://health.usnews.com/health-news/health-wellness/articles/2014/12/10/why-diabetic-is-a-dirty-word

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Você deve estar se perguntando, "o que será que aconteceu com o suco de laranja? será que descobriram algum suco contaminado?" Não, não é esse o caso. Estamos falando do suco de laranja natural mesmo, não adoçado, feito na hora, ou comprado em caixinha. E o alerta é para todos que têm diabetes. Vejamos por quê.

O suco de laranja é bastante popular no Brasil. Pudera, somos exportadores de laranja e de suco de laranja. Por isso, é comum encontrar pessoas tomando suco de laranja na padaria, no bar, no restaurante, seja durante a refeição ou em seus intervalos. Além disso, todos apreciam o fato de a laranja ser uma fruta rica em vitaminas e minerais, como a vitamina C. 
Por outro lado, existe um mito em relação ao suco de laranja, assim como em relação aos outros sucos de fruta, como o suco de melancia e o de uva. "Se é natural, não tem com o que se preocupar". Porém, especialmente para quem tem diabetes, os sucos naturais podem ser vilões e atrapalhar muito o control…

Comer... Mas quando tomar a insulina?

Este artigo tem como objetivo responder uma questão que, junto à contagem de carboidratos, é cada dia mais frequente. Quando tomar a insulina ultra-rápida para os carboidratos que consumi ou consumirei? Muitas pessoas têm relatado um frequente descontrole glicêmico, resultando em Hemoglobina Glicada (A1C) alta, devido a terem hiperglicemia após a alimentação, ou mesmo por se esquecerem de tomar a insulina que deveria ter sido tomada para a refeição.
A primeira coisa que é importante saber é que essa elevação da glicemia pós-pandial (depois da alimentação) é prejudicial ao organismo, aumentando o risco de complicaçõescrônicas do diabetes.


Quanto ao momento de tomar a insulina, é importante lembrarmos que mesmo as insulinas ultra-rápidas (Lispro, Aspart e Glulisina) começam a agir entre 10 e 15 minutos após serem aplicadas. Por isso, se você já se alimentou e ainda não tomou sua insulina, sua glicemia irá subir. Os alimentos, em especial os ricos em carboidratos, começam a ser absorvid…

Xultrophy: Insulina + GLP-1 (menos hipoglicemias, melhor A1C e perda de peso!)

Por Ronaldo J. P. Wieselberg
No último congresso da ADA (American Diabetes Association), neste ano, foi apresentado um trabalho que demonstrava os benefícios de um “novo” medicamento para o diabetes, chamado Xultophy. Novo, entre aspas, porque, na verdade, ele não é exatamente algo novo no mercado...
O Xultophy nada mais é do que uma mistura (em quantidades certas!) de insulina Degludeca (Tresiba) e da Liraglutida, um dos agonistas de GLP-1 (Victoza). Os três produtos em questão – Xultrophy, Tresiba e Victoza – são produzidos pela NovoNordisk. Até aí, nada demais – não fosse o fato de que o Xultophy “venceu” a Lantus (insulina glargina) durante o estudo, ou seja, exibiu mais benefícios para pessoas com diabetes tipo 2 (DM2).
Para entender essa “vitória”, vamos explicar rapidamente como são feitos os estudos de novos medicamentos.
Depois que o novo medicamento é testado em cobaias – principalmente ratos – e em pessoas saudáveis, para que haja segurança – ou seja, para que saibamos que …