Pular para o conteúdo principal

Bombas de Insulina com + Recursos

Nos últimos anos temos visto o surgimento de Bombas de Insulina com mais e mais recursos que facilitam a manutenção do controle glicêmico. Enquanto no exterior o mercado de Bombas de insulina é disputado por muitas empresas, no Brasil há apenas 2 empresas disputando o mercado, a Roche e a Medtronic. As bombas que ambas empresas comercializam atualmente diferem muito das comercializadas há alguns anos e, apesar de apenas 2 marcas, muitas vezes dão um nó na cabeça de quem tem indicação e terá que optar por uma delas.

http://irunonbatteries.blogspot.com.br/2012/07/the-progression-of-insulin-pumps.html


Durante o Congresso ATTD-LA ambas empresas apresentaram produtos já desenvolvidos, e que devem logo mais chegar ao mercado, quanto produtos em desenvolvimento. Todas essas novidades com um único objetivos, facilitar ainda mais a manutenção dos níveis glicêmicos dentro da faixa ideal durante a maior parte do tempo, com conforto e simplicidade.

Palestrantes apresentaram estudos sobre a Bomba Veo da Medtronic, que já está em processo de registro na ANVISA e deve estar disponível no Brasil em poucos meses. Além dos recursos disponíveis no Sistema Real Time, a Bomba Veo tem o que se considera um passo importante no desenvolvimento do tão sonhado pâncreas artificial, alarme de previsão de hipoglicemia ou hiperglicemia e suspensão da administração de insulina por 2 horas, caso a glicemia chegue a níveis baixos, sem que o usuário tome alguma atitude. Este último recurso tem sido visto com especial interesse para se evitar o agravamento de hipoglicemias durante o sono. Resultados de estudos apresentados no congresso apontaram para clara diminuição do tempo em hipoglicemia e valor de glicemia menos baixos quando o recurso de interrupção de liberação de insulina da Bomba VEO em caso de hipoglicemia estava ligado (Garg et al., 2012).  

http://medcitynews.com/2012/06/medtronic-files-application-to-bring-advanced-diabetes-treatment-to-u-s-patients/

Já a empresa Roche apresentou suas pesquisas no desenvolvimento de uma ampla linha de produtos de Bomba de Insulina que está em desenvolvimento. Segundo a empresa, cada paciente, com orientação de sua equipe de saúde, terá a possibilidade de optar pelos produtos da linha que lhe parecer mais adequado para seu tratamento. Entre eles estarão a Bomba Patch (micropump - resultado da aquisição da empresa Medingo pela Roche), sensor de glicose (em desenvolvimento pela empresa), melhorias no contole remoto (continua com a função de glicosímetro e passa a controlar tanto a bomba, seja a bomba convencional seja a micropump, quanto o sensor), sistema com recurso de enviar informação do sensor de glicose do filho ao celular dos pais, e DiaPort (como um catéter interno, que leva a insulina ultra-rápida para ser liberada próxima ao fígado, onde tem sua ação bastante acelerada, facilitando o desenvolvimento de equipamento com características mais próximas ao Pâncreas Artificial).

Bomba Patch e seu Controle - www.diabetesmine.com/2010/04/roche-acquires-medingo-solo-patch-pump-begin-the-usability-wars.html

Leia Também:

Bombas Real Time da Medtronic ganham uma concorrente

Pâncreas artificial, cada vez mais próximo da realidade

Novo equipamento auxilia no combate às hipos noturnas

Nova Parceria para o Desenvolvimento do Pâncreas Artificial

Medindo a glicemia sem precisar furar o dedo

Vantagens e Desvantagens dos Aplicadores Sem Agulha

Bomba com sensor tem efeito comprovado para o controle do diabetes em crianças DM1

PRÓS E CONTRAS DA BOMBA DE INSULINA

Comentários

  1. Bom dia,
    Você saberia me dizer se o DiaPort é comercializado apenas na Europa? E se há planos de que ele seja lançado no Brasil?

    Obrigada,
    Paula

    ResponderExcluir
  2. Prezada Paula,

    Sugerimos que entre em contato com a Roche Diagnóstica ou Accu-Check para obter essa informação:
    http://www.roche.com.br/portal/roche-brazil/xxxcontactxxx

    ResponderExcluir
  3. tenho um filho de seis anos que tem diabetes não consigo controlar ele poderia por um aparelho desse? e se o convenio cobre

    ResponderExcluir
  4. Caro João Vitor,
    É importante que, juntamente com seu médico, seja avaliada essa questão. Sabemos que a bomba de insulina pode beneficiar o controle de pessoas com diabetes. Porém, para ter esses benefícios (melhora do controle) é necessário também monitorar a glicemia com frequencia, fazer correções sempre que preciso, fazer contagem de carboidratos e manter a programação da bomba de insulina atualizada. Geralmente os convênios não cobrem bombas de insulina, mas é importante consultar seu convênio e, caso haja indicação para seu filho e o convênio não fizer a cobertura, avaliar a possibilidade de comprar o equipamento e conversar com um advogado sobre como requerer ao governo. Abaixo seguem alguns links que podem ser úteis:
    http://tenhodiabetestipo1eagora.blogspot.com.br/search?q=bomba+de+insulina
    http://www.adj.org.br/site/noticias_read.asp?id=260&tipo=4
    http://www.adj.org.br/site/noticias_read.asp?id=178&tipo=4

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Você deve estar se perguntando, "o que será que aconteceu com o suco de laranja? será que descobriram algum suco contaminado?" Não, não é esse o caso. Estamos falando do suco de laranja natural mesmo, não adoçado, feito na hora, ou comprado em caixinha. E o alerta é para todos que têm diabetes. Vejamos por quê.

O suco de laranja é bastante popular no Brasil. Pudera, somos exportadores de laranja e de suco de laranja. Por isso, é comum encontrar pessoas tomando suco de laranja na padaria, no bar, no restaurante, seja durante a refeição ou em seus intervalos. Além disso, todos apreciam o fato de a laranja ser uma fruta rica em vitaminas e minerais, como a vitamina C. 
Por outro lado, existe um mito em relação ao suco de laranja, assim como em relação aos outros sucos de fruta, como o suco de melancia e o de uva. "Se é natural, não tem com o que se preocupar". Porém, especialmente para quem tem diabetes, os sucos naturais podem ser vilões e atrapalhar muito o control…

Comer... Mas quando tomar a insulina?

Este artigo tem como objetivo responder uma questão que, junto à contagem de carboidratos, é cada dia mais frequente. Quando tomar a insulina ultra-rápida para os carboidratos que consumi ou consumirei? Muitas pessoas têm relatado um frequente descontrole glicêmico, resultando em Hemoglobina Glicada (A1C) alta, devido a terem hiperglicemia após a alimentação, ou mesmo por se esquecerem de tomar a insulina que deveria ter sido tomada para a refeição.
A primeira coisa que é importante saber é que essa elevação da glicemia pós-pandial (depois da alimentação) é prejudicial ao organismo, aumentando o risco de complicaçõescrônicas do diabetes.


Quanto ao momento de tomar a insulina, é importante lembrarmos que mesmo as insulinas ultra-rápidas (Lispro, Aspart e Glulisina) começam a agir entre 10 e 15 minutos após serem aplicadas. Por isso, se você já se alimentou e ainda não tomou sua insulina, sua glicemia irá subir. Os alimentos, em especial os ricos em carboidratos, começam a ser absorvid…

Xultrophy: Insulina + GLP-1 (menos hipoglicemias, melhor A1C e perda de peso!)

Por Ronaldo J. P. Wieselberg
No último congresso da ADA (American Diabetes Association), neste ano, foi apresentado um trabalho que demonstrava os benefícios de um “novo” medicamento para o diabetes, chamado Xultophy. Novo, entre aspas, porque, na verdade, ele não é exatamente algo novo no mercado...
O Xultophy nada mais é do que uma mistura (em quantidades certas!) de insulina Degludeca (Tresiba) e da Liraglutida, um dos agonistas de GLP-1 (Victoza). Os três produtos em questão – Xultrophy, Tresiba e Victoza – são produzidos pela NovoNordisk. Até aí, nada demais – não fosse o fato de que o Xultophy “venceu” a Lantus (insulina glargina) durante o estudo, ou seja, exibiu mais benefícios para pessoas com diabetes tipo 2 (DM2).
Para entender essa “vitória”, vamos explicar rapidamente como são feitos os estudos de novos medicamentos.
Depois que o novo medicamento é testado em cobaias – principalmente ratos – e em pessoas saudáveis, para que haja segurança – ou seja, para que saibamos que …