Situação do Diabetes Tipo 1 no Brasil


Uma recente pesquisa sobre diabetes tipo 1 no Brasil (Estudo multicêntrico de diabetes tipo 1 no Brasil) têm sido muito comentada, já que conseguiu levantar dados desconhecidos anteriormente. Estes de grande importância para se conhecer sobre as pessoas acometidas por essa disfunção e poder planejar ações de saúde pública que melhorem sua condição de vida e tratamento.


Entre os dados mais reveladores, está a constatação de que apenas 15% dessas pessoas estão com a Hemoglobina Glicada (A1C) abaixo de 7%. Portanto, 85% estão com a glicemia mal controlada, o que aumenta de forma importante o risco de se desenvolver complicações. Apesar disso, foi evidenciado que 78,8% têm medo de complicações sérias. E o desenvolvimento de complicações é, além de uma preocupação pessoal e familiar, algo que afeta de forma importante o sistema de saúde e cofres públicos. Com o agravamento de complicações, essas pessoas acabam se aposentando precocemente e o custo de seu tratamento passa a ser 1,8 vezes maior que o tratamento da pessoa com diabetes tipo 1 sem complicações.

Quanto ao diagnóstico, a média da idade em que acontece é de 11 anos e, na maioria das vezes, o diagnóstico ainda é feito durante alguma internação.

Em relação a outras preocupações dessa população, verificou-se que: 59,9% têm medo de ter hipoglicemia sem apoio; 25% escondem a doença, relatam falta de apoio e mostram insatisfação com o tratamento; 54,1% consideram o diabetes a pior coisa que aconteceu em suas vidas; e 40,6% não gostam de ser chamados de diabético

Portanto, fica bastante evidente que as condições para tratamento (controle) adequado do diabetes tipo 1 no Brasil precisam ser melhoradas urgentemente. Por um lado, o baixo investimento em ações de educação em diabetes para profissionais de saúde, pessoas com diabetes e familiares dificultam a compreensão da importância do bom controle glicêmico e de como atingi-lo. De outro, talvez a complexidade do tratamento, aliada à baixa escolaridade da população também contribuem de forma negativa. 

O controle inadequado da glicemia, da maior parte dessa população, certamente se reflete na forma como o diabetes é vivenciado e encarado, refletindo no medo em relação a complicações agudas (como hipoglicemia) e crônicas (como perda da visão, amputações, entre outras).

Assim, a mensagem que fica continua sendo, procure controlar sua glicemia para benefício próprio, e disseminar a informação benefício da sua comunidade local e sociedade como um todo.


Leia também:

Diabetes e perda de visão, há como evitar?

Por que rastrear complicações?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Pâncreas Artificial, uma realidade! Como faço para ter um?

Hemoglobina Glicada (A1C ou HbA1c) para controle e diagnóstico do diabetes