Pular para o conteúdo principal

Comer... Mas quando tomar a insulina?

Este artigo tem como objetivo responder uma questão que, junto à contagem de carboidratos, é cada dia mais frequente. Quando tomar a insulina ultra-rápida para os carboidratos que consumi ou consumirei? Muitas pessoas têm relatado um frequente descontrole glicêmico, resultando em Hemoglobina Glicada (A1C) alta, devido a terem hiperglicemia após a alimentação, ou mesmo por se esquecerem de tomar a insulina que deveria ter sido tomada para a refeição.

A primeira coisa que é importante saber é que essa elevação da glicemia pós-pandial (depois da alimentação) é prejudicial ao organismo, aumentando o risco de complicações crônicas do diabetes.



Quanto ao momento de tomar a insulina, é importante lembrarmos que mesmo as insulinas ultra-rápidas (Lispro, Aspart e Glulisina) começam a agir entre 10 e 15 minutos após serem aplicadas. Por isso, se você já se alimentou e ainda não tomou sua insulina, sua glicemia irá subir. Os alimentos, em especial os ricos em carboidratos, começam a ser absorvidos, e a glicose a entrar na corrente sanguínea, assim que se inicia a ingestão. Por isso, é interessante que os carboidratos a serem consumidos sejam contados e a insulina ultra-rápida seja tomada imediatamente antes de se iniciar a refeição (uma boa estratégia é conta-los quando já estão no prato à sua frente, aguardando a primeira garfada, e então aplicar a insulina).

Mas algumas excessões, que são as seguintes:

- Em crianças pequenas, já que não é possível ter certeza o quanto comerão. Por isso, o ideal é aplicar a insulina imediatamente após a criança comer. Nesse caso, apesar de a glicemia pós-prandial subir, o que não seria o ideal, minimiza-se o grande risco de hipoglicemia devido à criança desistir de se alimentar no meio da refeição.

- Se você for a uma festa e irá beliscar durante algum tempo, você pode ou fracionar a dose ou, caso use bomba de insulina, programar um bolus quadrado que dure o tempo que pretende ficar beliscando, ao invés de aplicar toda a insulina ultra-rápida de uma só vez.

- Se comer alimentos muito ricos em gordura, como pizza, vale a pena contar também a proteína e a gordura da pizza (muitas pessoas adicionam metade do total de carboidratos consumidos à conta, a fim de considerar a proteína e a gordura). Porém, não se deve aplicar a dose total de insulina, mas apenas metade, durante a refeição, e deixar a outra metade para aproximadamente 2 a 4 horas depois (o tempo ideal para aplicar a outra metade varia muito de pessoa para pessoa).

- Muitas pessoas são menos sensíveis à ação da insulina no café da manhã e, por isso, precisam tomar a insulina ultra-rápida aproximadamente 15 minutos antes de iniciarem o café, para não terem elevação da glicemia após a refeição.

As dicas acima devem te ajudar. De qualquer forma, é imprescindível que fale com seu médico e nutricionista, que conhecem melhor suas características e poderão te ajudar ainda mais.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Você deve estar se perguntando, "o que será que aconteceu com o suco de laranja? será que descobriram algum suco contaminado?" Não, não é esse o caso. Estamos falando do suco de laranja natural mesmo, não adoçado, feito na hora, ou comprado em caixinha. E o alerta é para todos que têm diabetes. Vejamos por quê.

O suco de laranja é bastante popular no Brasil. Pudera, somos exportadores de laranja e de suco de laranja. Por isso, é comum encontrar pessoas tomando suco de laranja na padaria, no bar, no restaurante, seja durante a refeição ou em seus intervalos. Além disso, todos apreciam o fato de a laranja ser uma fruta rica em vitaminas e minerais, como a vitamina C. 
Por outro lado, existe um mito em relação ao suco de laranja, assim como em relação aos outros sucos de fruta, como o suco de melancia e o de uva. "Se é natural, não tem com o que se preocupar". Porém, especialmente para quem tem diabetes, os sucos naturais podem ser vilões e atrapalhar muito o control…

Xultrophy: Insulina + GLP-1 (menos hipoglicemias, melhor A1C e perda de peso!)

Por Ronaldo J. P. Wieselberg
No último congresso da ADA (American Diabetes Association), neste ano, foi apresentado um trabalho que demonstrava os benefícios de um “novo” medicamento para o diabetes, chamado Xultophy. Novo, entre aspas, porque, na verdade, ele não é exatamente algo novo no mercado...
O Xultophy nada mais é do que uma mistura (em quantidades certas!) de insulina Degludeca (Tresiba) e da Liraglutida, um dos agonistas de GLP-1 (Victoza). Os três produtos em questão – Xultrophy, Tresiba e Victoza – são produzidos pela NovoNordisk. Até aí, nada demais – não fosse o fato de que o Xultophy “venceu” a Lantus (insulina glargina) durante o estudo, ou seja, exibiu mais benefícios para pessoas com diabetes tipo 2 (DM2).
Para entender essa “vitória”, vamos explicar rapidamente como são feitos os estudos de novos medicamentos.
Depois que o novo medicamento é testado em cobaias – principalmente ratos – e em pessoas saudáveis, para que haja segurança – ou seja, para que saibamos que …