Pular para o conteúdo principal

Outras doenças auto-imunes são mais frequentes em DM1

Já é conhecido o fato de pessoas com diabetes do tipo 1 (DM1) estarem mais sujeitas a desenvolver outras doenças auto-imunes. Doenças estas que, como o DM1 são resultado de uma resposta do sistema imune que ataca tecidos do próprio organismo. Em pesquisa recentemente publicada na revista científica Diabetes Care, aponta-se que 1 em cada 3 crianças com diabetes mellitus tipo 1 têm marcadores para outras doenças auto-imunes desde o diagnóstico.

No presente estudo, cientistas buscaram a presença de auto-anticorpos (proteínas do sistema imune direcionadas contra tecidos do próprio organismo) associados às seguintes doenças auto-imunes: doença auto-imune de tiróide, doença celíaca e doença de Addison (doença que afeta as glândulas adrenais), em 491 crianças recém diagnosticadas com DM1. Com o achado, os autores da pesquisa enfatizam a necessidade tanto de médicos, quanto de parentes ficarem atentos aos sintomas relacionados ao desenvolvimento de outras doenças auto-imunes em portadores de diabetes do tipo 1.

Em matéria publicada pela Reuters Health são explicitadas as características das doenças estudadas (abaixo) e um dos pesquisadores revela que a Associação Americana de Diabetes orienta que se faça o teste para as doenças de tiróide de celíaca assim que o diabetes tipo 1 é diagnosticado e depois a cada 1 anos para doença de tiróide e para doença celíaca apenas se houver suspeita. Em particular os pais devem ficar atentos ao crescimento dos seus filhos e a sintomas como: constipação, dor abdominal, diarréia, e hipoglicemias frequentes.

A doença auto-imune da tireóide surge quando uma reação do sistema imunológicofaz com que a glândula tireóide a produzir demasiado ou muito pouco hormônio tireoidiano. Uma tireóide hiperativa pode causar sintomas como nervosismo, perda de peso, problemas do sono e intolerância ao calor; enquanto uma tiróide hipoativa pode causar fadiga, pele seca, queda de cabelo e lentificação do crescimento.

A doença celíaca é uma desordem digestiva na qual o sistema imunológico reage aos alimentos com glúten (uma proteína no trigo, cevada e centeio), prejudicando intestino delgado. 



Na doença de Addison, as glândulas adrenais não conseguem produzir o suficiente dos hormônios cortisol e aldosterona, levando a problemas como fraqueza e fadiga, apetite e perda de peso e irritabilidade.

Estima-se que entre 15 a 30 % das pessoas com diabetes tipo 1 tenham doença auto-imune da tireóide, enquanto entre 4 e 9 % tenham a doença celíacae menos de 1 % tenham doença de Addison.



Fonte:
Many kids with diabetes have other immune diseases


Visite o site da Associação dos Celíacos do Brasil - ACELBRA

Comentários

  1. eu gostaria muito conversar com maes que tenham fillhos com diabet tipo um eu tenho uma finha que tem e muito dificil eu me chamo valdete

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. minha mãe está a disposição... renatanoschese@yahoo.com.br

      Excluir
    2. Oi querida entra no grupo mães de DM1 na madrugada!!! pelo facebook, vc vai tirar varias duvidas e compartilhar com mães que tem filhos com diabetes 1, muito bom!

      Excluir
  2. eu tenho DM1, descobri quando estava prestes a fazer 10 anos, hoje tenho 18 anos. no começo você não sabe de nada, depois você conhece o básico... e mais depois você tem que fazer exames e mais exames que antes você não sabia. ter DM1 é muito chato, precisamos de uma rotina que no começo pode ser muito difícil, depois você se acostuma um pouco, mas continua sendo chato. =,( depois dessa matéria e do resultado do meu exame fiquei mais triste, como se já não bastasse ter diabetes ainda estamos sujeitos a desenvolver outras doenças autoimunes e você não puder fazer nada para não tê-la, pois minha glicemia está sob controle.

    ResponderExcluir
  3. Diabetes desde 1 ano de idade, totalizando em praticamente 17 anos já.. aos 7 descubro a Doença Celíaca e aos 13 o Lúpus... todas autoimunes!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Você deve estar se perguntando, "o que será que aconteceu com o suco de laranja? será que descobriram algum suco contaminado?" Não, não é esse o caso. Estamos falando do suco de laranja natural mesmo, não adoçado, feito na hora, ou comprado em caixinha. E o alerta é para todos que têm diabetes. Vejamos por quê.

O suco de laranja é bastante popular no Brasil. Pudera, somos exportadores de laranja e de suco de laranja. Por isso, é comum encontrar pessoas tomando suco de laranja na padaria, no bar, no restaurante, seja durante a refeição ou em seus intervalos. Além disso, todos apreciam o fato de a laranja ser uma fruta rica em vitaminas e minerais, como a vitamina C. 
Por outro lado, existe um mito em relação ao suco de laranja, assim como em relação aos outros sucos de fruta, como o suco de melancia e o de uva. "Se é natural, não tem com o que se preocupar". Porém, especialmente para quem tem diabetes, os sucos naturais podem ser vilões e atrapalhar muito o control…

Comer... Mas quando tomar a insulina?

Este artigo tem como objetivo responder uma questão que, junto à contagem de carboidratos, é cada dia mais frequente. Quando tomar a insulina ultra-rápida para os carboidratos que consumi ou consumirei? Muitas pessoas têm relatado um frequente descontrole glicêmico, resultando em Hemoglobina Glicada (A1C) alta, devido a terem hiperglicemia após a alimentação, ou mesmo por se esquecerem de tomar a insulina que deveria ter sido tomada para a refeição.
A primeira coisa que é importante saber é que essa elevação da glicemia pós-pandial (depois da alimentação) é prejudicial ao organismo, aumentando o risco de complicaçõescrônicas do diabetes.


Quanto ao momento de tomar a insulina, é importante lembrarmos que mesmo as insulinas ultra-rápidas (Lispro, Aspart e Glulisina) começam a agir entre 10 e 15 minutos após serem aplicadas. Por isso, se você já se alimentou e ainda não tomou sua insulina, sua glicemia irá subir. Os alimentos, em especial os ricos em carboidratos, começam a ser absorvid…

Xultrophy: Insulina + GLP-1 (menos hipoglicemias, melhor A1C e perda de peso!)

Por Ronaldo J. P. Wieselberg
No último congresso da ADA (American Diabetes Association), neste ano, foi apresentado um trabalho que demonstrava os benefícios de um “novo” medicamento para o diabetes, chamado Xultophy. Novo, entre aspas, porque, na verdade, ele não é exatamente algo novo no mercado...
O Xultophy nada mais é do que uma mistura (em quantidades certas!) de insulina Degludeca (Tresiba) e da Liraglutida, um dos agonistas de GLP-1 (Victoza). Os três produtos em questão – Xultrophy, Tresiba e Victoza – são produzidos pela NovoNordisk. Até aí, nada demais – não fosse o fato de que o Xultophy “venceu” a Lantus (insulina glargina) durante o estudo, ou seja, exibiu mais benefícios para pessoas com diabetes tipo 2 (DM2).
Para entender essa “vitória”, vamos explicar rapidamente como são feitos os estudos de novos medicamentos.
Depois que o novo medicamento é testado em cobaias – principalmente ratos – e em pessoas saudáveis, para que haja segurança – ou seja, para que saibamos que …