Pular para o conteúdo principal

Nova Parceria para o Desenvolvimento do Pâncreas Artificial


Nos últimos dias a Medtronic, uma das principais empresas de bombas de insulina e sensores de glicose do mundo, anunciou nova parceria com o JDRF em colaboração com a Fundação Helmsley Charitable (HCT), para avançar da monitorização contínua de glicose (CGM), com o objetivo de desenvolver o tão esperado pâncreas artificial.

http://www.medtronicdiabetes.com/Products

O objetivo da parceria é acelerar o desenvolvimento do sistema de sensor Medtronic sistema redundante, que combina duas tecnologias de detecção de glicose em um único dispositivo. Para este avanço tecnológico foi concedido apoio financeiro da Iniciativa JDRF-Helmsley Charitable Trust Sensor Initiative. Essa iniciativa foi lançada para acelerar o desenvolvimento de sensores contínuos de glicose mais precisos e confiáveis. Sensores cantínuos de glicose têm o potencial de conduzir para o desenvolvimento de futuros sistemas de pâncreas artificial para pessoas com diabetes. Os dispositivos CGM de hoje contribuíram significativamente para melhorar o controle glicêmico em pessoas com diabetes tipo 1. Sensores de última geração proporcionarão maior precisão e confiabilidade, o que permitirá uma gestão mais precisa da insulinização, aproximando-se de um pâncreas sem diabetes.

O sistema de sensor ortogonalmente redundante irá combinar um sensor electroquímico - a tecnologia comumente utilizados em sistemas de CGM de hoje - com um sensor óptico, para fornecer valores de glicose mais precisos. Ao combinar duas tecnologias de medição distintas, a função dos dois sensores, como um sistema de autorregulação, permitirá redundância verdadeira para garantir medições de glicose seguras e confiáveis ​​para um sistema de pâncreas artificial.

Dispositivos CGM fornecem tanto uma medida instantânea em tempo real do nível de glicose de uma pessoa com diabetes [importante lembrar que se trata da glicose no tecido subcutâneo, e não no sangue, como medem os glicosímetros] quanto a informação sobre a tendência de queda ou alevação do nível da glicose, e quão rápida está a variação. Hoje os dispositivos também fornecer alertas quando a glicose está chegando a valores muito altos ou muito baixos. Pesquisas do JDRF sobre os CGMs têm mostrado que o uso do CGM pode melhorar significativamente o controle do diabetes e diminuir a frequência de hipoglicemias e hiperglicemias. Hoje, esses sensores estão sendo usados ​​como parte de sistemas de pâncreas artificial. No futuro, sistemas de pâncreas artificial que restauram a manutenção da glicose no organismo a níveis normais de forma automatizada a maior parte do tempo, exigirão sensores avançados, com maior precisão e capacidades de detecção de erro.


Leia também:

Pâncreas artificial, cada vez mais próximo da realidade

Já imaginou acompanhar sua glicemia enquanto dirige?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Você deve estar se perguntando, "o que será que aconteceu com o suco de laranja? será que descobriram algum suco contaminado?" Não, não é esse o caso. Estamos falando do suco de laranja natural mesmo, não adoçado, feito na hora, ou comprado em caixinha. E o alerta é para todos que têm diabetes. Vejamos por quê.

O suco de laranja é bastante popular no Brasil. Pudera, somos exportadores de laranja e de suco de laranja. Por isso, é comum encontrar pessoas tomando suco de laranja na padaria, no bar, no restaurante, seja durante a refeição ou em seus intervalos. Além disso, todos apreciam o fato de a laranja ser uma fruta rica em vitaminas e minerais, como a vitamina C. 
Por outro lado, existe um mito em relação ao suco de laranja, assim como em relação aos outros sucos de fruta, como o suco de melancia e o de uva. "Se é natural, não tem com o que se preocupar". Porém, especialmente para quem tem diabetes, os sucos naturais podem ser vilões e atrapalhar muito o control…

Comer... Mas quando tomar a insulina?

Este artigo tem como objetivo responder uma questão que, junto à contagem de carboidratos, é cada dia mais frequente. Quando tomar a insulina ultra-rápida para os carboidratos que consumi ou consumirei? Muitas pessoas têm relatado um frequente descontrole glicêmico, resultando em Hemoglobina Glicada (A1C) alta, devido a terem hiperglicemia após a alimentação, ou mesmo por se esquecerem de tomar a insulina que deveria ter sido tomada para a refeição.
A primeira coisa que é importante saber é que essa elevação da glicemia pós-pandial (depois da alimentação) é prejudicial ao organismo, aumentando o risco de complicaçõescrônicas do diabetes.


Quanto ao momento de tomar a insulina, é importante lembrarmos que mesmo as insulinas ultra-rápidas (Lispro, Aspart e Glulisina) começam a agir entre 10 e 15 minutos após serem aplicadas. Por isso, se você já se alimentou e ainda não tomou sua insulina, sua glicemia irá subir. Os alimentos, em especial os ricos em carboidratos, começam a ser absorvid…

Xultrophy: Insulina + GLP-1 (menos hipoglicemias, melhor A1C e perda de peso!)

Por Ronaldo J. P. Wieselberg
No último congresso da ADA (American Diabetes Association), neste ano, foi apresentado um trabalho que demonstrava os benefícios de um “novo” medicamento para o diabetes, chamado Xultophy. Novo, entre aspas, porque, na verdade, ele não é exatamente algo novo no mercado...
O Xultophy nada mais é do que uma mistura (em quantidades certas!) de insulina Degludeca (Tresiba) e da Liraglutida, um dos agonistas de GLP-1 (Victoza). Os três produtos em questão – Xultrophy, Tresiba e Victoza – são produzidos pela NovoNordisk. Até aí, nada demais – não fosse o fato de que o Xultophy “venceu” a Lantus (insulina glargina) durante o estudo, ou seja, exibiu mais benefícios para pessoas com diabetes tipo 2 (DM2).
Para entender essa “vitória”, vamos explicar rapidamente como são feitos os estudos de novos medicamentos.
Depois que o novo medicamento é testado em cobaias – principalmente ratos – e em pessoas saudáveis, para que haja segurança – ou seja, para que saibamos que …