Pular para o conteúdo principal

2 pesquisas: MUITA ESPERANÇA!!!

Na semana passada foram publicados resultados de 2 pesquisas de grande interesse para quem tem diabetes. Seriam perspectivas de cura? Ou tratamentos que se aproximariam dela? Vamos ver...

http://www.bu.edu/bme/2013/01/28/outpatient-studies-to-test-viability-of-bionic-pancreas/

O primeiro deles diz respeito ao uso do Pâncreas Biônico! OK, outra forma de chamar o pâncreas artificial. Mas se já há tanto tempo tempo se pesquisa a esse respeito, qual a novidade? A novidade é que o artigo reporta as experiências de uma pessoa com diabetes tipo 1 que participou de uma fase recente da pesquisa, na qual o pâncreas artificial (no caso, constituído por um app em Iphone, que regula e integra todo o sitema, sensor de glicose, sistema de infusão de insulina e sistema de infusão de glucagon) foi testado por 5 dias e fora do hospital. Apesar de muitas pesquisas terem sido feitas, a maioria delas se restringia a poucos dias e em ambiente hospitalar, portanto, longe da realidade de quem se beneficiaria do uso desse tipo de tecnologia. O artigo diz que durante os dias de uso do pâncreas artificial a voluntária ficou "curada", pelo menos foi assim que ela se sentiu, por não ter que se preocupar com níveis de glicemia e aplicações de insulina.... Na verdade, a enfermeira que a acompanhou media sua glicemia a cada 2 horas...

De qualquer forma, os resultados são promissores e a expectativa do idealizador e coordenador do projeto é, se tudo der certo, ter os equipamentos aprovados e disponíveis para comercialização a partir de 2017. Ainda neste ano o equipamento será testado em crianças nos acampamentos Camp Joslin e Clara Barton Camp.

O outro foi um novo hormônio, batizado betatrofina, descoberto por pesquisadores da mesma região geográfica dos pesquisadores que estão testando o pâncreas biônico, Boston/Cambridge. A esperança trazida por esse hormônio diz respeito ao seu potencial de induzir a proliferação das células produtoras de insulina no pâncreas (células beta). Portanto, tanto para pessoas com diabetes tipo 2, que têm perda de células beta após algum tempo de disfunção, quanto para pessoas com diabetes tipo 1, que, geralmente, tem perda rápida da maior parte das células beta, esse hormônio pode ser uma esperança de reverter o quadro. Provavelmente não bastaria tratamento somente com esse hormônio, já que no diabetes tipo 1 a destruição das células beta pelo sistema imune continuariam e no caso do tipo 2 a resistência à ação da insulina dificultaria o estabelecimento de glicemias normais. Assim, é provável que testes futuros com o hormônio venham associados a testes com outros medicamentos, ou com mudança no estilo de vida.    

Fonte:
Mark Dwortzan. Outpatient Studies to Test Viability of Bionic Pancreas. January 28th, 2013

Riva Greenberg. Turning Diabetes Over to the Bionic Pancreas. 04/23/2013
Peng Yi, Ji-Sun Park, Douglas A. Melton. Betatrophin: A Hormone that Controls Pancreatic β Cell Proliferation. Cell, Available online 25 April 2013

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Você deve estar se perguntando, "o que será que aconteceu com o suco de laranja? será que descobriram algum suco contaminado?" Não, não é esse o caso. Estamos falando do suco de laranja natural mesmo, não adoçado, feito na hora, ou comprado em caixinha. E o alerta é para todos que têm diabetes. Vejamos por quê.

O suco de laranja é bastante popular no Brasil. Pudera, somos exportadores de laranja e de suco de laranja. Por isso, é comum encontrar pessoas tomando suco de laranja na padaria, no bar, no restaurante, seja durante a refeição ou em seus intervalos. Além disso, todos apreciam o fato de a laranja ser uma fruta rica em vitaminas e minerais, como a vitamina C. 
Por outro lado, existe um mito em relação ao suco de laranja, assim como em relação aos outros sucos de fruta, como o suco de melancia e o de uva. "Se é natural, não tem com o que se preocupar". Porém, especialmente para quem tem diabetes, os sucos naturais podem ser vilões e atrapalhar muito o control…

Comer... Mas quando tomar a insulina?

Este artigo tem como objetivo responder uma questão que, junto à contagem de carboidratos, é cada dia mais frequente. Quando tomar a insulina ultra-rápida para os carboidratos que consumi ou consumirei? Muitas pessoas têm relatado um frequente descontrole glicêmico, resultando em Hemoglobina Glicada (A1C) alta, devido a terem hiperglicemia após a alimentação, ou mesmo por se esquecerem de tomar a insulina que deveria ter sido tomada para a refeição.
A primeira coisa que é importante saber é que essa elevação da glicemia pós-pandial (depois da alimentação) é prejudicial ao organismo, aumentando o risco de complicaçõescrônicas do diabetes.


Quanto ao momento de tomar a insulina, é importante lembrarmos que mesmo as insulinas ultra-rápidas (Lispro, Aspart e Glulisina) começam a agir entre 10 e 15 minutos após serem aplicadas. Por isso, se você já se alimentou e ainda não tomou sua insulina, sua glicemia irá subir. Os alimentos, em especial os ricos em carboidratos, começam a ser absorvid…

Xultrophy: Insulina + GLP-1 (menos hipoglicemias, melhor A1C e perda de peso!)

Por Ronaldo J. P. Wieselberg
No último congresso da ADA (American Diabetes Association), neste ano, foi apresentado um trabalho que demonstrava os benefícios de um “novo” medicamento para o diabetes, chamado Xultophy. Novo, entre aspas, porque, na verdade, ele não é exatamente algo novo no mercado...
O Xultophy nada mais é do que uma mistura (em quantidades certas!) de insulina Degludeca (Tresiba) e da Liraglutida, um dos agonistas de GLP-1 (Victoza). Os três produtos em questão – Xultrophy, Tresiba e Victoza – são produzidos pela NovoNordisk. Até aí, nada demais – não fosse o fato de que o Xultophy “venceu” a Lantus (insulina glargina) durante o estudo, ou seja, exibiu mais benefícios para pessoas com diabetes tipo 2 (DM2).
Para entender essa “vitória”, vamos explicar rapidamente como são feitos os estudos de novos medicamentos.
Depois que o novo medicamento é testado em cobaias – principalmente ratos – e em pessoas saudáveis, para que haja segurança – ou seja, para que saibamos que …