Para tornar o seu dia a dia com Diabetes mais fácil!

Nos últimos tempos, o pessoal no exterior tomou gosto por uma coisa que nós, brasileiros, conhecemos há tempos: a gambiarra. Ou, como eles preferem dizer, “lifehacks”. Nada mais do que uma solução incomum para um problema comum, não?

Para quem tem diabetes nada mais justo do que contar com algumas gambiarras (dicas ou soluções temporárias/improvisadas) que o Joslin Diabetes Center, dos Estados Unidos, reuniu. Quem sabe você já não usa algumas delas?

1. Eu me confundo com os frascos de insulina!

Use fitas adesivas coloridas para identificar os frascos ou canetas de insulina. Solução rápida e prática, e particularmente útil para aqueles que – como eu – são daltônicos e confundem a cor, particular dos frascos.

http://insuleeve.tripod.com/

2. A noite foi longa. Como lembrar se eu tomei a insulina?

Fácil! Você pode simplesmente inverter a posição dela no estojo/caixa assim que terminar de aplicar a insulina, ou colocá-la dentro de um copo ou porta-lápis.


Ao passar pelo raio X, eventualmente, você precisará mostrar aos fiscais de segurança do aeroporto as insulinas, agulhas, seringas, Glucagon, etc.

http://blog.joslin.org/2014/02/qa-with-katharine-gordon-tsa-diabetes-policy/

A dica, então, é mantê-los todos juntos, em um saquinho transparente com fecho hermético – por exemplo, o Zip-Loc – junto com uma carta do seu médico (em inglês, se estiver viajando para fora do Brasil), explicando o porquê de você ter aquilo consigo, e o porquê de não poder despachar os itens com o resto da bagagem. Assim, caso necessário, os agentes de segurança poderão examinar tudo rapidamente, e você, poderá seguir viagem sem problemas.

4. Anotações desorganizadas!

Todos sabemos como é complicado manter um diário das glicemias, resultados de exames, artigos sobre o diabetes... Então, que tal organizar um fichário, com marcadores coloridos, adesivos, bolsos para papeis pequenos, e tudo o mais que possa ajudar? É uma atividade bastante interessante, para crianças e adultos. Além, claro, de facilitar bastante nas consultas seguintes com o endocrinologista!

5. Estou cansado de calcular!

Hoje em dia, essa “gambiarra” está caindo por terra. A maioria dos celulares tem calculadoras embutidas, ou até mesmo aplicativos que calculam as doses necessárias com base em sua glicemia e sua razão insulina/carboidrato (leia mais a respeito no livro “Tenho diabetes tipo 1, e agora?”). Porém, para evitar ficar sem bateria, você pode comprar uma calculadora barata em uma lojinha, e deixá-la junto do seu glicosímetro. Na pior das hipóteses, o velho papel e lápis também ajudam...


Bombas e Sensores

1. Meu cateter/sensor não cola!

Use um patch de Tegaderm® – adesivo utilizado muitas vezes para curativos em procedimentos cirúrgicos – para segurar o sensor ou cateter no lugar. Lembre-se apenas de fazer uma saída para a cânula!

2. Não consigo abrir o compartimento de bateria da minha bomba!

www.bcb.gov.br/?MOEDAFAM2
Acalme-se! Tenha sempre no seu estojo do glicosímetro uma moeda de 25 centavos. É perfeita para isso!

3. Esqueci quando coloquei o cateter/sensor!

No dia que trocar o sensor ou o cateter, escreva a data com uma caneta permanente na embalagem e guarde-a até a próxima troca. Se não gostar de ficar com a embalagem, tire uma foto da embalagem – com a data anotada – e guarde-a na memória do celular.

É bem útil, inclusive, para ter o número de série do cateter ou do sensor, caso necessário. Alternativamente, o patch de Tegaderm® – citamos ali em cima! – também pode receber a anotação da data de troca.

4. Meninos cansados de pendurar a bomba na cintura?

Experimente cortar um pequeno buraco na parte superior dos bolsos. Assim, você pode passar a cânula por dentro deles – sem o perigo de deixar o resto das coisas cair.

5. Meninas, seus bolsos são pequenos ou a bomba vai marcar a roupa?

Sem problemas. Coloque a bomba na frente do sutiã. Se não funcionar, você pode usar uma cinta elástica para gestantes para manter sua bomba presa a você.

6. E se estiver usando um vestido...?

Corte uma parte do cano de uma meia, e puxe-a o mais alto que conseguir – o ideal é na altura da coxa, então, pense no tamanho da meia – e prenda a bomba nesse “cinto de perna”. Você também pode pensar em colocar a bomba na parte de cima da meia-calça.

7. Mas eu tenho um sensor contínuo de glicose e não ouço quando ele apita/vibra!

Essa gambiarra vem da época em que escutar conversa atrás da porta era um jeito de saber das novidades: coloque o receptor em um copo. Isso vai amplificar o som, e você possivelmente vai ouvir.

www.probablyrachel.com/hacking-diabetes/

~
E então? Algum desses truques foi útil para você? Tem mais sugestões de gambiarras que podem ser feitas para facilitar a vida de quem tem diabetes? Mande-as para a gente!



Traduzido e Adaptado por: 
Assistente de Coordenação do Treinamento de Jovens Líderes em Diabetes
Acadêmico em Medicina FCMSCSP

Comentários

  1. Adorei o post Mark...muito bom mesmo....como sempre encontramos soluções quando tudo parece perdido! Eu agora coloco todos os remédios numa caixa em ordem e assim monitoro quando vai acabando um ou outro insumo. Quanto a última troca, conseguimos ver na própria bomba. Pelo menos eu vi outro dia. Parabéns!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Sheila!!!
      Em relação à Bomba, no meu caso (Mark Barone), coloco insulina no reservatório suficiente para durar apenas 3 dias, assim coincide o dia de trocar tudo com o fim da insulina na Bomba.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Pâncreas Artificial, uma realidade! Como faço para ter um?

Hemoglobina Glicada (A1C ou HbA1c) para controle e diagnóstico do diabetes