DIABULIMIA: o que é, riscos e como tratar

Por Henrique Alves, Juliana Rodrigues, Leticia Pereira, Lilian Sabo e Isabela Cristina

Diabulimia é um transtorno alimentar que acomete exclusivamente pessoas com diabetes mellitus, usuárias de insulina exógena, em sua maioria do sexo feminino, durante a juventude. Assim como outros transtornos alimentares de fundo psíquico, a diabulimia pode estar associada a distúrbios da imagem corporal, isto é, mesmo pessoas magras podem apresentar esse tipo de transtorno por acreditarem que estão acima do peso.

http://empoweryourhealth.org/issue-1/Diabulimia-A-Life-Threatening-Approach-to-Thinness

A diabulimia tem como característica que a define a omissão ou redução das doses de insulina necessárias. Isso quer dizer que a pessoa com diabetes deixa de se aplicar ou reduz bastante a quantidade administrada de insulina. Com consequência de curto/médio prazo da hiperglicemia que se instala, há aumento na frequência e na quantidade de micção (urina), podendo haver desidratação, perda de massa muscular, fadiga intensa, hálito com um odor acentuado de acetona, confusão mental e quadro de cetoacidose, com risco à vida.

http://blog.joslin.org/2014/07/how-to-help-a-teen-with-diabetes-burnout-2/
Outras estratégias muitas vezes associadas por essa população à manipulação da insulina são: 1) prática excessiva de atividades físicas; e 2) comportamento alimentar compulsivo (consumo de grandes quantidades de comida de uma só vez), seguido por comportamento purgativo (vômitos provocados e/ou uso de laxantes e diuréticos para eliminar rapidamente os alimentos consumidos).

Quando as injeções de insulina são suspensas, o nível de açúcar no sangue fica elevado, o que faz com que a pessoa com diabetes apresente boca seca, precise urinar com mais frequência e, como consequência mais grave sofra de cetoacidose diabética. Em longo prazo, a hiperglicemia sustentada favorece o desenvolvimento de uma série de complicações como: insuficiência renal, perda da visão, dores em membros, disfunção erétil, entre outras.

Indivíduos acometidos inicialmente não reconhecem que têm o problema e recusam ajuda de outras pessoas. Por isso, deve ser objetivo do tratamento ajudar a pessoa a perceber que há algo de errado e que ela pode contar com seus parentes e profissionais de saúde para lidar com essa situação. Quanto mais cedo for iniciado o tratamento, maiores as chances de sucesso, antes do agravamento da saúde do indivíduo acometido.

Nesses casos, além da família, é necessária a ação de uma equipe multidisciplinar, com participação de um psicólogo e/ou um psiquiatra, um nutricionista e o endocrinologista. Com isso, além das questões emocionais, estratégias para tratamento das consequências físicas do transtorno e uma dedicada reeducação alimentar são trabalhados. Cabe ressaltar, ainda, que grupos de apoio presenciais e mesmo virtuais podem ser de grande auxílio na aceitação e reconhecimento da condição, e busca de apoio e tratamento.

Para mais informações, além das referências abaixo, sugerimos o Grupo "Diabulimia e Diabetes" no Facebook e o Depoimento da Luciana Dotti Silva.

Referências

Associação de diabetes e transtornos alimentares. Nutrire, vol.36, n.Suplemento (11º Congresso Nacional da SBAN), p.176-176, 2011.  Disponível em: <http://www.revistanutrire.org.br/articles/view/id/4fc79e961ef1fa3569000006 >

Site da SBEM. Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Acesso em: 01 jun. 2015. Disponível em: <http://www.endocrino.org.br/transtornos-alimentares-diabetes/ >

BARONE, Mark. Tenhodiabetes tipo 1, e agora? / Mark Barone, 3° edição: São Paulo: All Print Editora, 2013.

SBD-diretrizes 2014-2015. Sociedade brasileira de diabetes, Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes, Grupo Editorial Nacional (GEN), p. 264-270. Disponível em: <http://www.diabetes.org.br/images/2015/area-restrita/diretrizes-sbd-2015.pdf > acesso em 18 Maio. 2015.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Pâncreas Artificial, uma realidade! Como faço para ter um?

Hemoglobina Glicada (A1C ou HbA1c) para controle e diagnóstico do diabetes