Hipoglicemia Noturna: o maior medo dos pais!


No mês passado falamos sobre hipoglicemias graves (severas) e assintomáticas. Neste, levando em conta uma publicação nossa recente, na qual abordamos o caso de um indivíduo que apresentou hipoglicemia por mais de 3 horas durante o sono e não despertou, daremos atenção a este assunto.1

www.diabetes.org.br/ideias-e-comentarios/hipoglicemia-noturna-quais-os-riscos

As hipoglicemias noturnas são o maior dos medos dos pais de crianças com diabetes mellitus tipo 1 (DM1). Publicações sobre o tema confirmam o risco de tal ocorrência.2 Em nossa pesquisa, dos 18 participantes com DM1, apenas 1 teve hipoglicemia durante o sono. Esse voluntário, mesmo passando parte da noite com a glicemia abaixo de 40 mg/dl, não despertou. Outros pesquisadores já haviam observado o mesmo fenômeno em adultos e crianças com DM1. No lugar de despertar, o sono desses indivíduos parece se aprofundar.1,3

Alguns motivos que contribuem para esse tipo de resultado foram discutidos no mês passado, como o comprometimento da resposta autonômica e da contrarregulação em pessoas com DM1,4 o que ao invés de disparar o despertar, contribui para que a glicemia continue baixando. Em experimento induzindo hipoglicemia em pessoas com e sem diabetes, os autores observaram que, dos 16 com DM1, apenas 1 despertou durante a hipoglicemia noturna, enquanto que, dos 16 sem diabetes, 10 despertaram.5 

Entre as consequências da hipoglicemia grave, que pode se estabelecer durante o sono, destacam-se as alterações cardíacas agudas, com prolongamento do intervalo QTc, e distúrbio de frequência e ritmo cardíaco.6 Como decorrência,  existe o risco da síndrome conhecida como “dead in bed”, na qual o indivíduo é encontrado, pela manhã, sem vida em sua cama.2,6,7

Nas décadas de 1980 e 1990, estimava-se a ocorrência desse fenômeno em 5-6% das pessoas com DM1 até os 40 anos de idade.6 É importante, contudo, lembrar que naquelas décadas os medicamentos, tecnologias e mesmo o conhecimento sobre diabetes eram extremamente precários, se compararmos com os de hoje. Portanto, deve-se considerar que há atualmente muitos recursos que auxiliam a prevenir a hipoglicemia noturna, sem que, para isso, o indivíduo precise se manter em hiperglicemia e, em tal caso, venha a sofrer consequências futuras.

Referências
  1. Barone, MTU; Wey, D; Schorr, F; Franco, DR; Carra, MK; Lorenzi-Filho, G; Menna-Barreto, L. Sleep and glycemic control in type 1 diabetes. Arch Endocrinol Metab. 2015;59(1):71-78.
  2. Tanenberg RJ, Newton CA, Drake AJ. Confirmation of hypoglycemia in the "dead-in-bed" syndrome, as captured by a retrospective continuous glucose monitoring system. Endocr Pract. 2010 Mar-Apr;16(2):244-8.
  3. Pillar, G; et al. Interactions between hypoglycemia and sleep architecture in children with type 1 diabetes mellitus. J Pediatr. 2003 Feb;142(2):163-8.
  4. Gabriely I; Shamoon H. Awakening from sleep and hypoglycemia in type 1 diabetes mellitus. PLoS Med 2007 4(2):e99.
  5. Schultes B; et al. Defective awakening response to nocturnal hypoglycemia in patients with type 1 diabetes mellitus. PLoS Med. 2007 Feb;4(2):e69.
  6. Hanefeld M, Duetting E, Bramlage P. Cardiac implications of hypoglycaemia in patients with diabetes - a systematic review. Cardiovasc Diabetol. 2013 Sep 21;12:135.
  7. Pires, CA. Diabetes Melito tipo1, Hipoglicemia e Síndrome de morte súbita no leito. Disponível em: www.diabetes.org.br/colunistas/dr-antonio-carlos/diabetes-melito-tipo1-hipoglicemia-e-sindrome-de-morte-subita-no-leito Acesso em 12 de abril de 2015.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Suco de Laranja? Cuidado!!!

Pâncreas Artificial, uma realidade! Como faço para ter um?

Hemoglobina Glicada (A1C ou HbA1c) para controle e diagnóstico do diabetes